Japão adia criação de sistema de cotas industriais de emissão de CO2

Setor empresarial japonês resiste à criação de um sistema de cotas de emissão de gases poluentes para a indústria

Tóquio – O Governo do Japão decidiu nesta terça-feira adiar até depois de 2013 a criação de um sistema de cotas de emissão de gases poluentes para a indústria, no meio de uma forte resistência do setor empresarial, informou a agência local “Kyodo”.

O Partido Democrático do Japão (PD) propôs a criação deste sistema de cotas mais estrito durante as eleições gerais de agosto de 2009, mas no início deste mês quis prorrogar o prazo de aplicação da medida pela oposição empresarial.

Este sistema para controlar as emissões de carbono propõe fixar cotas para cada empresa japonesa e aquelas que excederem o limite comprarão direitos de emissão de outras companhias mais limpas.

O Governo japonês, que se comprometeu a reduzir suas emissões de dióxido de carbono em 25% em 2020 frente ao nível de 1990, apresentou recentemente um projeto de lei para resistir aos efeitos do aquecimento global, que inclui a introdução de um imposto meio ambiental e a compra a um preço fixo de eletricidade gerada por energias alternativas.

O novo imposto se traduziria em um aumento dos encargos sobre a gasolina, o gás natural e o carvão, que serão aplicados em vários períodos desde outubro de 2011.

O Governo do primeiro-ministro, Naoto Kan, decidiu analisar “cuidadosamente” a proposta para fomentar a partir de 2012 o uso de energias renováveis, entre elas a solar e a eólica, embora tudo aponte que encontrará oposição da indústria energética, segundo alguns analistas

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.