Mundo

Irã eleva tensões ao anunciar maior enriquecimento de urânio

Movimento deve provocar uma reação mais dura do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump

Hassan Rouhan, presidente do Irãi: Trump vem pressionando o país para renegociar o pacto. (Official President website/Handout/Reuters)

Hassan Rouhan, presidente do Irãi: Trump vem pressionando o país para renegociar o pacto. (Official President website/Handout/Reuters)

R

Reuters

Publicado em 7 de julho de 2019 às 14h33.

DUBAI - O Irã anunciou neste domingo que em breve vai aumentar seu enriquecimento de urânio acima do limite estabelecido em um acordo nuclear de 2015, movimento que deve provocar uma reação mais dura do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

Trump vem pressionando o Irã para renegociar o pacto.

Em um sinal de elevadas tensões, França, Alemanha e Reino Unido --todos participantes do acordo-- demonstraram preocupações sobre a decisão do Irã.

Em entrevista à imprensa, autoridades iranianas disseram que o país continuará reduzindo seus compromissos a cada 60 dias, a menos que os signatários europeus do pacto o protejam das sanções dos EUA.

"Estamos totalmente preparados para enriquecer urânio a qualquer nível e com qualquer quantidade", disse Behrouz Kamalvandi, porta-voz da Organização de Energia Atômica do Irã.

"Em algumas horas o processo técnico será finalizado e o enriquecimento além de 3,67% começará", disse ele, referindo-se ao limite estabelecido no acordo de 2015.

Teerã não dá sinais de sucumbir à pressão de Trump em um confronto que atingiu dimensão militar, com Washington culpando Teerã por ataques a petroleiros e o Irã derrubando um drone dos EUA.

Acompanhe tudo sobre:Energia nuclearEstados Unidos (EUA)Irã - PaísUrânio

Mais de Mundo

Eleições nos EUA: Trump fará discurso às 21h09 e deve falar por 55 minutos na Convenção Republicana

Eleições Venezuela: Maria Corina Machado, lider da oposição, denuncia ataque; veja vídeo

Autor de atentado contra Trump também fez buscas sobre Joe Biden, diz FBI

Ursula von der Leyen é reeleita presidente da Comissão Europeia

Mais na Exame