Mundo

Ilha paradisíaca da Coreia vira polo de escolas de elite — e milionários

Projeto de US$ 1,5 bilhão do governo coreano atrai escolas de elite internacionais, com anuidades acima de US$ 50 mil que incluem aulas de mergulho e equitação na praia

Ilha de Jeju, na Coreia do Sul, vira meca de escolas de elite (Getty Images/Getty Images)

Ilha de Jeju, na Coreia do Sul, vira meca de escolas de elite (Getty Images/Getty Images)

CA

Carla Aranha

Publicado em 27 de dezembro de 2021 às 14h14.

Última atualização em 27 de dezembro de 2021 às 14h32.

Conhecida pela paisagem vulcânica, o mar azul-escuro e algumas das praias mais bonitas da Ásia, a ilha de Jeju, na Coreia do Sul, sempre atraiu mergulhadores e pessoas em busca de belezas naturais. A economia do local se baseou, por séculos, na pesca e agricultura. Essa realidade, no entanto, parece ter ficado no passado. Recentemente, a ilha se tornou um polo de escolas bilíngues, voltadas para coreanos e chineses endinheirados.

A apenas 1 hora de voo de Seul, Jeju foi escolhida para um projeto de 1,5 bilhão de dólares do governo coreano para criar um centro de educação internacional no país. Deu certo. As casas simples foram dando lugar a escolas de alto padrão, resorts, condomínios de luxo e campos de golfe.

Assine a EXAME e acesse as notícias mais importantes em tempo real.

Hoje, 4.600 alunos estão matriculados nas quatro escolas internacionais instaladas na ilha. Em breve, mais duas serão inauguradas, segundo o governo coreano.

O objetivo é tornar Jeju uma referência no ensino de elite, que vem atraindo cada vez famílias de alto poder aquisitivo. A intenção do governo é evitar que essas pessoas gastem dinheiro no exterior enviando os filhos para escolas internacionais nos Estados Unidos e outros países.

Grande parte dos alunos que estudam nos colégios de elite de Jeju acaba sendo aprovada nas melhores universidades do mundo, o que serve como um chamariz para pais de alta renda e disponibilidade de se mudar para uma ilha de 1.840 quilômetros quadrados — a boa infraestrutura, a proximidade com Seul e a tranquilidade do lugar são vistos como atrativos naturais.

A anuidade, acima de 50 mil dólares, não é para qualquer um. As aulas, bilíngues, seguem uma grade de ensino dos melhores centros de ensino internacionais, além de incluir atividades como mergulho, snorkelling e equitação.

O sucesso das escolas vem provocando um boom imobiliário, com construções de condomínios de luxos onde as casas podem custar mais de 2,5 milhões de dólares. Nos últimos dois anos, o aumento de preços dos imóveis chegou a 70%. As mansões mais glamorosas contam com pistas de pouso e vista para o mar. A expectativa é que o número de famílias bem de vida residentes na ilha tenha um crescimento ainda maior, com a abertura de novas escolas.

 

Acompanhe tudo sobre:Coreia do SulEscolasImóveisSeul

Mais de Mundo

Após desistência, saiba como será o processo para substituir Biden como candidato à presidência

Joe Biden desiste da candidatura à reeleição: leia o comunicado na íntegra

Joe Biden desiste de disputar as eleições nos EUA

Venezuela: a sete dias da eleição, pesquisas divergem sobre resultado

Mais na Exame