Hungria declara estado de crise em duas províncias

A Hungria fechou ontem sua fronteira aos refugiados e aplicará legislação que estabelece penas de até três anos de prisão por entrar no país de forma ilegal

Röszke - O governo húngaro declarou nesta terça-feira o "estado de crise" em duas províncias meridionais fronteiriças com a Sérvia pela chegada de milhares de refugiados nas passadas semanas.

A medida foi anunciada à imprensa na cidade de Szeged pelo porta-voz do governo, Zoltán Kovács, após uma reunião do Conselho de Ministros.

A Hungria fechou ontem sua fronteira aos refugiados e a partir de hoje aplicará uma draconiana legislação que estabelece penas de até três anos de prisão por entrar no país de forma ilegal.

"A situação é impossível", indicou Kovács, e garantiu que serão tramitadas todas as solicitações de asilo.

O porta-voz acrescentou que os refugiados, "contra todo protocolo internacional", decidem por si mesmo para onde querem ir.

A possibilidade de declarar o "estado de crise" foi debatida em reunião do Executivo de hoje, dia em que entraram em vigor as leis que endurecem as penas por entrar de forma ilegal no país.

O estado de crise durará meio ano (com a possibilidade de prologá-lo) e nesses seis meses o governo pode intensificar os controles fronteiriços, e a polícia e o Exército assumir as tarefas de registrar os solicitantes de asilo.

Já as autoridades poderão utilizar imóveis e bens móveis estatais ou das Prefeituras locais nas zonas fronteiriças para instalar ali, por exemplo, centros de registro.

"Se não criarmos um sistema para tratar a situação, não poderemos controlar os processos. É de interesse dos verdadeiros refugiados que entrem na União (Europeia) de uma forma regularizada", enfatizou Kovács.

Budapeste já tinha anunciado que os refugiados cujas solicitações de asilo são rejeitadas, serão devolvidos à Sérvia, um país que a Hungria considera como seguro.

No entanto, Belgrado anunciou hoje que não aceitará o retorno dos litigantes de asilo de Budapeste.

A grande maioria dos mais de 200 mil refugiados que as autoridades húngaras interceptaram neste ano, entraram no país desde a Sérvia.

Por sua vez, Ernö Simon, porta-voz do escritório húngara da Agência das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur), recalcou em declarações à Efe que essa organização não considera "nem a Sérvia, nem a Macedônia e nem a Bósnia como terceiros países seguros".

Com relação à demora dos trâmites, Simon explicou que a "Acnur pede que não haja automatismos nos processos. Todos têm direito a serres tratados de uma maneira justa".

Nesta terça-feira entraram em vigor na Hungria leis que preveem penas de até três anos de prisão para quem atravessar a fronteira húngara de forma ilegal, e de até cinco anos se a pessoa entrar no país armada ou causa danos à cerca instalada ao longo da delimitação com a Sérvia.

As novas disposições abrem, além disso, a possibilidade de declarar o "estado de crise".

Kovács anunciou também que serão criadas duas zonas de passagem na fronteira, nas cercanias de Röszke e Tompa, onde os refugiados permanecerão até sua solicitação seja tramitada.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também