Hotel de Trump na capital é conflito de interesse, diz oposição

A Agência de Serviços Gerais dos EUA concluiu que o aluguel irá descumprir as regras a partir do momento em que o empresário republicano tomar posse

Washington - O presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, precisa abrir mão de seu hotel de luxo em Washington, que ocupa um edifício alugado do governo federal, porque o acordo viola leis de conflito de interesse, disseram parlamentares democratas nesta quarta-feira.

A Agência de Serviços Gerais dos EUA (GSA, na sigla em inglês), que administra propriedades do governo federal, incluindo o prédio do Antigo Correio que abriga o Trump International Hotel, concluiu que o aluguel irá descumprir as regras a partir do momento em que o empresário republicano tomar posse no dia 20 de janeiro, de acordo com uma carta dos congressistas à agência.

A carta diz respeito a um boletim de 8 de dezembro endereçado a funcionários do Congresso por uma autoridade da GSA que a carta não identificou.

"O vice-comissário deixou claro que o senhor Trump precisa se desfazer não somente de seu controle gerencial, mas de seu direito de posse também", disse o deputado Elijah Cummings, de Maryland, e três outros democratas na carta, que foi levada a público nesta quarta-feira.

O hotel fica a algumas quadras da Casa Branca e se tornou um polo de manifestantes anti-Trump desde que abriu em setembro.

Ele é parte de uma rede de negócios que pode criar conflitos de interesse inéditos para o magnata, um empresário nova-iorquino do setor imobiliário e ex-apresentador de reality show.

A empresa de Trump não reagiu às preocupações da GSA a respeito do conflito em potencial, disseram os parlamentares democratas.

A agência vem tratando do aluguel com Ivanka, filha de Trump que faz parte da equipe de transição presidencial, informaram.

Os congressistas opositores pediram à GSA documentos a respeito do aluguel, dos lucros e das projeções de gastos do hotel, além de memorandos legais sobre o conflito de interesse em potencial.

Trump disse que irá preparar documentos que irão desligá-lo das operações de negócios cotidianas e que irá abordar a questão do hotel em janeiro, disse seu porta-voz, Jason Miller, aos repórteres.

Autoridades da GSA não responderam a um pedido de comentário.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.