A página inicial está de cara nova Experimentar close button

Homem que matou Robert Kennedy deve ser solto após 53 anos

Sirhan Sirhan, que matou em 1968 o então senador Robert Kennedy, obteve liberdade condicional nesta sexta-feira, 27. A decisão ainda precisa ser aprovada pelo governador da Califórnia

A Justiça dos Estados Unidos concedeu nesta sexta-feira, 27, liberdade condicional ao assassino do ex-senador americano Robert F. Kennedy, Sirhan Sirhan, após 53 anos de prisão.

Morto a tiros em 6 de junho de 1968, Kennedy ("RFK" ou "Bobby" Kennedy, como era conhecido) era irmão do ex-presidente John F. Kennedy, o "JFK". Em uma trágica sequência de mortes na família, o ex-presidente também fora assassinado anos antes, em 1963.

Após o aval do juri, a decisão da soltura de Sirhan será agora revisada pelo Conselho de Liberdade Condicional da Califórnia em até três meses. Na sequência, será encaminhada ao governador da Califórnia, o democrata Gavin Newsom, que ainda pode barrar a liberação.

Robert Kennedy: ex-senador foi morto em 1968, anos após o irmão, John F. Kennedy

Robert Kennedy: ex-senador foi morto em 1968, anos após o irmão, John F. Kennedy (Library of Congress/Wikimedia Commons)

O assassino de Bobby Kennedy tem hoje 77 anos, e já tentou 16 pedidos de condicional, todos negados até então.

A decisão por conceder a condicional a Sirhan foi tomada após dois dos filhos de Kennedy que testemunharam defenderem a liberação. Promotores também se recusaram a argumentar pela sequência da prisão.

Douglas Kennedy, hoje aos 54 anos e que era criança quando o pai foi morto, disse que ficou comovido com o remorso de Sirhan.

Hoje atuando como jornalista, Kennedy defendeu que o assassino do pai não deveria seguir preso caso não oferecesse riscos.

"Estou impressionado apenas por ser capaz de ver Sirhan cara a cara", disse. "Acho que vivi minha vida com medo dele e de seu nome, de uma forma ou de outra. E estou grato por vê-lo hoje como um ser humano digno de compaixão e amor."

Quem foi Robert Kennedy

Quando foi morto, Robert Kennedy tinha 42 anos e estava em seu primeiro mandato como senador por Nova York. Ele era também um dos concorrentes para se tornar o candidato do Partido Democrata à presidência, já após a morte do irmão John F. Kennedy anos antes.

O senador foi morto com 6 tiros em um hotel em Los Angeles, na Califórnia (onde Sirhan hoje se encontra preso), logo após discursar depois de uma vitória nas primárias. Ele liderava a corrida à candidatura democrata na ocasião.

Durante a carreira política, Robert Kennedy ganhou destaque ao atuar como procurador-geral e braço-direito do irmão durante seu mandato, sendo conselheiro crucial em momentos como a Crise dos Mísseis em Cuba na Guerra Fria.

Robert se manteve no cargo de procurador-geral após a morte do irmão, mas terminou rompendo pouco depois com o presidente sucessor e vice de JFK, Lyndon Johnson, devido a discordâncias sobre a guerra do Vietnã, defendida por Johnson.

Robert Kennedy também é considerado personagem importante na defesa do movimento dos direitos civis e direitos da população negra nos EUA nos anos 1960.

Só dois meses antes da morte de RFK, um dos líderes do movimento dos direitos civis, o reverendo Martin Luther King Jr., também seria assassinado, em abril de 1968.

Teorias sobre o assassinato dos Kennedy

Sirhan, que foi condenado por assassinato e confessou o crime contra Robert Kennedy, disse que não se lembra do ato. Sua advogada, Angela Berry, argumentou que o conselho deveria basear sua decisão em quem Sirhan é hoje.

Sirhan Sirhan é palestino e tinha 24 anos quando cometeu o crime, motivado por uma suposta retaliação contra as posições do governo americano em apoio a Israel após a Guerra dos Seis Dias, em 1967.

Sirhan Sirhan em foto de 2009: hoje aos 77 anos, ele tinha 24 quando matou o senador Robert Kennedy

Sirhan Sirhan em foto de 2009: hoje aos 77 anos, ele tinha 24 quando matou o senador Robert Kennedy (CALIFORNIA DEPARTMENT OF CORRECTIONS/AFP Photo)

Apesar de Sirhan ter confessado o crime, a morte de Robert Kennedy, como a do irmão, é até hoje tema de teorias da conspiração sobre o real mandante, o que nunca foi comprovado.

Na decisão sobre a liberação do criminoso nesta sexta-feira, os promotores também se recusaram a participar ou se opor à soltura em meio a uma política do promotor público do condado de Los Angeles, George Gascon.

Ex-policial que assumiu o cargo com uma plataforma de reforma penal, Gascon disse que idolatrava os Kennedys e lamentava o assassinato de RFK, mas defende que o papel dos promotores termina na sentença e que eles não devem influenciar as decisões de libertar prisioneiros.

(com Estadão Conteúdo)

Tenha acesso ilimitado às principais análises sobre o Brasil e o mundo. Assine a EXAME.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também