Grupo Estado Islâmico recupera terreno na Síria

EI enviou grupo de combatentes, incluindo um que dirigia um carro-bomba, para duas aldeias e três vilarejos ao sul de sua fortaleza sitiada por forças sírias.

O grupo Estado Islâmico (EI) expulsou tropas do regime sírio da província de Raqa (norte) em uma contra-ofensiva que visou a afrouxar o cerco ao reduto de Minbej, na mesma região, que resultou ainda na recuperação de duas aldeias controladas por forças árabe-curdas apoiadas pelos Estados Unidos.

De acordo com o Observatório Sírio para os Direitos Humanos (OSDH), o EI enviou um pequeno grupo de combatentes, incluindo um que dirigia um carro-bomba, para duas aldeias e três vilarejos ao sul de sua fortaleza sitiada pelas Forças Democráticas da Síria (FDS).

Estas aldeias haviam sido recuperadas recentemente pela aliança árabe-curda, que lançou uma ofensiva em 31 de maio.

"O EI tenta defender Minbej e envia combatentes para atacar as FDS nessas aldeias", observou Rami Abdel Rahman, diretor do OSDH.

"O Daesh (sigla em árabe do EI) tem executado os habitantes locais", acrescentou, incapaz de fornecer um número de mortos.

As forças da coalizão liderada pelos Estados Unidos realizaram nesta segunda-feira ataques aéreos maciços para defender essas aldeias, matando 42 extremistas, de acordo com o OSDH.

Nos combates, as FDS perderam cinco dos seus membros. Quarenta combatentes leais ao governo também morreram nas ações, segundo a fonte.

As FDS sitiam Minbej há dez dias, mas tiveram seu avanço freado pelos ataques suicidas do EI.

Os extremistas controlam desde 2014 esta cidade, localizada entre a fronteira turca e Raqa, a capital de fato do EI na Síria.

Mais a leste, o EI também oferece alta resistência em Tabqa, uma localidade atacada desde o início do mês pelas forças do regime apoiadas pela aviação russa.

Depois de avançar no domingo e se aproximar a sete quilômetros do aeroporto de Tabqa, controlado pelos extremistas, os combatentes pró-governo foram forçados a recuar nesta segunda-feira em cerca de 20 km a partir desta base militar, perdendo várias posições em favor do EI.

"O EI enviou 300 combatentes de Raqa para Tabqa para defender a cidade", disse Abdel Rahman.

O conflito na Síria, iniciado por manifestações pedindo reformas, se complicou ao longo dos anos com uma multidão de atores sírios, regionais e internacionais, e principalmente desde o fortalecimento de grupos extremistas como o Estado Islâmico (EI).

A guerra já matou mais de 280.000 pessoas e obrigou a milhões de sírios a abandonar seus lares.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.