Greve das principais centrais sindicais paralisa Argentina

Os principais sindicatos argentinos faziam greve para exigir melhores salários e redução do imposto de renda, o que afetou áreas de transporte e hospitais

Buenos Aires - Os principais sindicatos opositores da Argentina faziam nesta terça-feira uma greve geral para exigir melhores salários e a redução do imposto de renda, enquanto que a economia está estagnada quatro meses antes das eleições presidenciais.

A medida de força, a segunda desde março, afetava principalmente o transporte público de passageiros e de cargas, o transporte aéreo, hospitais, postos de combustíveis e portos.

A greve, segundo os organizadores, é para exigir do governo um alívio na carga fiscal diante da queda no poder de compra como resultado de uma inflação galopante.

"A participação é total, hoje nada funciona. A greve é sintoma de que algo está mal", disse à Reuters o secretário de Transporte do poderoso Sindicato de Motoristas de Caminhões, Omar Pérez.

Os terminais de ônibus estavam desertos nesta terça-feira, enquanto que o tráfego de carros particulares era intenso. Ativistas de partidos de esquerda bloquearam alguns acessos à cidade de Buenos Aires.

Na região portuária de Rosário, um dos maiores núcleos agroexportadores do mundo, a atividade era reduzida. De acordo com a Bolsa de Comércio de Rosário, a quantidade de caminhões com grãos que entraram nos terminais da região caiu 72,2 por cento em relação a segunda-feira, para apenas 985 veículos.

O governo rejeitou as exigências dos sindicatos e atribuiu o protesto a um objetivo meramente político dos sindicatos opositores em ano eleitoral.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.