General dos EUA ligou para China temendo que Trump começasse guerra

Nas ligações, O general norte-americano Mark Milley tentou assegurar a Li Zuocheng, do Exército da China, que os Estados Unidos estavam estáveis e não iriam atacar

O principal general dos Estados Unidos ligou para seu equivalente chinês em segredo duas vezes no ano passado por preocupações de que o então presidente dos EUA, Donald Trump, pudesse iniciar uma guerra durante a confirmação de sua derrota nas eleições e depois de sua confirmação, reportou o jornal Washington Post nesta terça-feira.

O general norte-americano Mark Milley, chefe do Estado-Maior Conjunto, ligou para o general Li Zuocheng, do Exército de Libertação Popular, no dia 30 de outubro de 2020, quatro dias antes da eleição presidencial, e novamente no dia 8 de janeiro, dois dias após apoiadores de Trump liderarem uma violenta invasão do Capitólio, segundo o jornal.

Nas ligações, Milley tentou assegurar a Li que os Estados Unidos estavam estáveis e não iriam atacar e, se por acaso houvesse um ataque, ele alertaria seu equivalente antes do momento, de acordo com o jornal.

A reportagem é baseada no livro "Peril", dos jornalistas Bob Woodward e Robert Costa, que, segundo eles, se apoia em entrevistas com 200 fontes e que deve ser publicado na semana que vem.

O gabinete de Milley se recusou a comentar o assunto. Representantes de Trump não foram encontrados imediatamente para comentar.

Perguntada sobre a reportagem por jornalistas que viajam com o presidente norte-americano Joe Biden no avião Air Force One, a porta-voz da Casa Branca Karine Jean-Pierre se recusou a comentar e indicou o Estado-Maior Conjunto e o Departamento de Defesa.

O republicano Trump indicou Milley para o mais alto posto militar do país em 2018, mas começou a criticá-lo assim que ele e outros indicados e ex-membros de sua equipe após perder as eleições de novembro do ano passado para o democrata Joe Biden e deixar a Casa Branca no dia 20 de janeiro.

Milley foi motivado a entrar em contato com a China pela segunda vez em parte por conta de uma conversa no dia 8 de janeiro com a presidente da Câmara dos Deputados dos EUA, Nancy Pelosi, que havia perguntado ao general quais salvaguardas poderiam prevenir um "presidente instável" de iniciar um ataque nuclear, diz a reportagem, citando uma transcrição da conversa.

"Ele é louco. Você sabe que ele é louco", disse Pelosi a Milley na ligação, de acordo com o jornal. Segundo a transcrição citada, o general respondeu: "Eu concordo com você em tudo".

  • Fique por dentro das principais notícias do Brasil e do mundo. Assine a EXAME

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também