Estamos de cara nova! E continuamos com o conteúdo de qualidade.
Nova Exame

Fotógrafa americana registra explosão que tirou sua vida

Divulgação das imagens feitas por Hilda Clayton vem após consentimento da família. Ela morreu durante um treinamento com explosivos reais no Afeganistão

São Paulo – Em uma fração de segundos, as chamas intensas da explosão de um morteiro foram registradas pelas lentes da fotógrafa Hilda Clayton. Nessa mesma fração de segundos, essa detonação foi também a responsável pela sua morte.

Hilda era fotógrafa do exército dos Estados Unidos quando perdeu a vida em 2 de julho de 2013 durante um treinamento com explosivos reais realizados no Afeganistão e que matou quatro soldados afegãos, incluindo outro fotógrafo que era treinado por ela. As duas fotos capturadas foram divulgadas nessa semana pelas forças armadas do país.

“Essa edição do Military Review (publicação oficial do exército) é focada em promover os conceitos de igualdade de gênero”, disseram os editores ao justificar a divulgação das imagens, ato visto como insensível por críticos, “e essas fotografias ilustram os perigos que nossos homens e mulheres enfrentam durante seus treinamentos e em combate”, continuou.

Nascida na cidade de Augusta (Geórgia, EUA), Hilda tinha 22 anos de idade e foi homenageada com um vídeo na ocasião da sua morte. A fotógrafa era admirada por seus colegas, que a descreveram como dedicada e guerreira. “Ela dava tudo de si, não importava qual era a tarefa”, disse um colega.

“As pessoas veem as fotos da infantaria que mostram homens chutando portas, mas nunca pensam na pessoa por trás das câmeras”, lembrou outro amigo da fotógrafa, “eles arriscam suas vidas tanto quanto os outros e também são heróis”.

A divulgação das imagens feitas pela fotógrafa, explicou o jornal britânico The Independent, só foi realizada depois da aprovação da família e de sua unidade. Hilda também foi honrada com uma competição militar que visa testar as habilidades de fotógrafos especializados nessa cobertura e que leva o seu nome: o prêmio Hilda I Clayton Best Combat Camera Competition.

Veja abaixo:

Imagem registrada pela fotógrafa do exército dos EUA, Hilda Clayton Imagem registrada pela fotógrafa do exército dos EUA, Hilda Clayton

Imagem registrada pela fotógrafa do exército dos EUA, Hilda Clayton (U.S. Army/Spc. Hilda Clayton/Reuters)

Imagem registrada pela fotógrafa do exército dos EUA, Hilda Clayton Imagem registrada pela fotógrafa do exército dos EUA, Hilda Clayton

Imagem registrada pela fotógrafa do exército dos EUA, Hilda Clayton (U.S. Army/Spc. Hilda Clayton/Reuters)

 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também