Filipinas revela sumiço de obras-primas de ex-ditador

Ferdinando Marcos havia adquirido 146 obras-primas, de artistas como Van Gogh e Picasso, com fundos público

Manila - O governo filipino informou nesta terça-feira que não sabe o paradeiro de 146 obras-primas, de artistas como Van Gogh e Picasso, adquiridas com fundos públicos pelo ex-ditador filipino Ferdinando Marcos.

"Os Marcos eram apaixonados por arte e gastaram milhões de dólares em quadros", declarou à AFP o presidente da comissão responsável por tentar recuperar as obras, Andrés Bautista.

As 146 obras sumidas, de Picasso, Van Gogh, Renoir, Rembrandt ou Cézanne, "podem estar em qualquer parte", segundo Bautista.

A ex-secretária particular de Imelda Marcos, viúva do ex-ditador, foi indiciada na semana passada em Nova York por ter vendido ilegalmente obras de arte que pertenceram aos Marcos, incluindo um Monet negociado por 32 milhões de dólares em 2010.

Durante a presidência do marido, Imelda Marcos acumulou, com o uso de recursos públicos, uma ampla coleção de quadros. Muitas obras desapareceram após a queda de Marcos em 1986.

A comissão presidencial sobre a boa governabilidade fez um inventário de 300 obras de artes adquiridas pela família Marcos com fundos filipinos. Metade das obras foi recuperada.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.