Mundo

EUA vão treinar líderes para identificarem extremistas

Programa quer evitar que jovens radicais se integrem ao Estado Islâmico e outros grupos extremistas lutando na Síria e no Iraque


	EUA: governo está iniciando programas-piloto para desenvolver estratégias de combate a ameaças
 (Jim Watson/AFP)

EUA: governo está iniciando programas-piloto para desenvolver estratégias de combate a ameaças (Jim Watson/AFP)

DR

Da Redação

Publicado em 15 de setembro de 2014 às 09h51.

Washington - O governo dos Estados Unidos lançou um programa nesta segunda-feira para treinar figuras comunitárias importantes em todo o país, a fim de evitar que jovens radicais se integrem ao Estado Islâmico e outros grupos extremistas lutando na Síria e no Iraque.

“Hoje, poucas ameaças são mais urgentes do que a ameaça representada pelo extremismo violento”, disse o procurador-geral Eric Holder em um vídeo sobre o programa.

O Departamento de Justiça, a Casa Branca e outras agências estão iniciando uma série de programas-piloto para unir líderes comunitários, autoridades policiais e outros agentes com a finalidade de desenvolver uma estratégia para combater essa ameaça, disse Holder.

Embora os programas existentes tenham focado em líderes comunitários, os novos também incluirão professores e profissionais dos ramos de saúde mental e de serviços sociais, dando mais apoio e desenvolvendo maneiras de identificar potenciais extremistas, disse um representante com conhecimento do programa.

A meta é intervir antes que as pessoas se radicalizam, disse o representante, que não quis ser identificado. Autoridades policiais dizem ter tido sucesso em esforços semelhantes para combater a violência de gangues, por exemplo, ao treinar professores, assistentes sociais e outros profissionais sobre o que procurar e como esses potenciais militantes são recrutados.

O presidente Barack Obama definiu como uma parte de sua estratégia contra militantes do Estado Islâmico impedir a ida de norte-americanos radicalizados para tomarem parte de conflitos no exterior.

A estratégia inclui uma campanha militar para destruir o grupo. Obama disse em um discurso na quarta-feira que as autoridades ofereceriam “programas domésticos sob medida para evitar o extremismo violento e a radicalização”.

Autoridades dos EUA estimaram que até 15 mil combatentes estrangeiros estão operando na Síria, incluindo 3.000 ocidentais, entre os quais 100 norte-americanos.

O Conselho de Segurança das Nações Unidas planeja exigir que países combatam o recrutamento de combatentes estrangeiros ao criar leis criminais especificamente sobre o tema, informou a Reuters na semana passada.

A resolução preliminar foi motivada pelo crescimento do Estado Islâmico - um grupo dissidente da al Qaeda que tomou grandes faixas de território na Síria e no Iraque e declarou um califado na região - e da Frente Nusra, ala da al Qaeda na Síria.

Acompanhe tudo sobre:Barack ObamaEstados Unidos (EUA)gestao-de-negociosPaíses ricosPersonalidadesPolíticosTreinamento

Mais de Mundo

Macron se recusa a nomear candidata da esquerda a primeira-ministra na França

Em primeiro comício desde saída de Biden, Kamala afirma que seu governo será 'do povo'

Capitólio dos EUA se blinda contra possíveis protestos durante visita de Netanyahu

Kamala e democratas aceleram estratégia de atacar Trump em comício em Milwaukee

Mais na Exame