A página inicial está de cara nova Experimentar close button

Estados dos EUA prometem combater as mudanças climáticas

Lideranças querem mostrar à comunidade internacional que a nação continua comprometida a cortar as emissões de gases

São Francisco - Governadores e prefeitos de diversos Estados e cidades dos Estados Unidos não hesitaram em assumir a liderança da luta contra as mudanças climáticas no país depois que o presidente Donald Trump anunciou que os EUA irão sair do acordo do clima de Paris.

As autoridades disseram que, coletivamente, podem mostrar à comunidade internacional que a nação continua comprometida a cortar as emissões de gases que os cientistas culpam pelo aquecimento global.

Governadores citaram medidas como o esforço da Califórnia para obter 100 por cento de sua eletricidade de fontes renováveis, os Estados do nordeste que estudam reduzir o consumo máximo permitido de carbono e as medidas em que o Oregon trabalha para estabelecer um preço para o carbono.

"Existe uma rota aqui na qual o resto da América, em reação ao que realmente é uma decisão insana do presidente Trump, adota o tipo de medidas necessárias", disse o governador da Califórnia, Jerry Brown, à Reuters.

Mais Estados podem seguir o exemplo da Califórnia e do vizinho Oregon adotando padrões de combustíveis de baixo carbono, ampliando as exigências de veículos com emissão zero e possivelmente fundindo medidas anticarbono como impostos, tetos e comércio, disseram os governadores e analistas.

"Existe a possibilidade de que, com o tempo, os Estados possam aumentar os mercados de comércio de emissões e fundi-los, inclusive através de fronteiras nacionais, como aconteceu no Québec e na Califórnia", disse o governador de Washington, Jay Inslee, em entrevista à Reuters, referindo-se aos sistemas de comércio de carbono regionais já em vigor no nordeste e no oeste.

Inslee, Brown e Andrew Cuomo, governador de Nova York, anunciaram a criação de uma "aliança climática" de Estados comprometidos com as metas do acordo de Paris.

Trump comunicou sua decisão de desligar os EUA do pacto de Paris argumentando que sua exigência de cortar emissões de dióxido de carbono dos EUA ameaça milhões de empregos e a produtividade. Ele ainda disse que irá iniciar um processo que pode levar quatro anos para romper com o acordo, que foi assinado por quase todos os outros países da Terra.

O presidente mencionou o declínio dos empregos na indústria de carvão como exemplo de seu temor de que o compromisso climático esteja prejudicando os trabalhadores norte-americanos, mas críticos de seu gesto ressaltaram que as indústrias de energia renovável, especialmente a solar, estão criando centenas de milhares de vagas -- muitas mais do que as atualmente existente no setor carvoeiro.

Brown está indo para a China nesta sexta-feira para chefiar uma conferência de Estados e outros participantes "subnacionais" que estão assumindo compromissos voluntários para reduzir os gases de efeito estufa.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também