Enorme cargueiro encalha no Canal de Suez e interrompe fluxo de navios

Pelo Canal de Suez, é escoado para o restante do mundo grande parte da produção de petróleo e gás natural dos países do Oriente Médio. Na avaliação de um especialista, a interrupção do fluxo de cargueiros pode acabar impactando o preço da commodity, mesmo que por alguns dias

O Canal de Suez, considerado uma das mais importantes rotas marítimas de comércio no planeta, está temporariamente bloqueado depois que um cargueiro com 400 metros de comprimento encalhou no meio da passagem e bloqueou o fluxo marítimo da região.

O incidente, que aconteceu na manhã desta terça-feira, 24, pode não ser uma solução muito simples e deve causar problemas para navios e cargueiros que trafegam pela região. A rota original do cargueiro encalhado era da China para o porto de Rotterdam, nos Países Baixos. O navio seguia em direção ao Mar Mediterrâneo quando ficou entalado. Vale lembrar que o canal tem apenas 205 metros de largura e é admistrado por autoridades egípcias, dada a sua localização.

Após uma forte rajada de vento, o cargueiro Ever Green, da japonesa Shoei Kisen e operada pelo conglomerado taiwanês Evergreen Group, encalhou no sul do canal. Segundo as autoridades egípcias, meteorologistas do país afirmaram que de fato houve fortes ventos na terça-feira, que chegaram a 50 km/h.

Analistas apontam que o interrompimento da passagem, mesmo que passageiro, deve causar impactos perceptíveis no mercado, dada a importância da rota para o comércio internacional.

Segundo a SCA, autoridade egípcia responsável por administrar o canal, cerca de 12% do volume do comércio mundial passa pelo canal artificial. Durante o ano de 2020, aproximadamente 19 mil navios passaram pela via - uma média de 51,5 navios por dia.

Ou seja, segundo os dados que contabilizam o fluxo de navios no canal, um interrompimento na rota - mesmo que passageiro - pode ter consequências desastrosas para o comércio mundial como um todo, além de impactar negativamente mercados específicos, como o do petróleo, por exemplo.

Pelo Canal de Suez, é escoado para o restante do mundo grande parte da produção de petróleo e gás natural dos países do Oriente Médio. Na avaliação de um especialista, a interrupção do fluxo de cargueiros pode acabar impactando o preço da commodity, mesmo que por alguns dias.

"O incidente cria distorção nos fluxos de petróleo e produtos que são transportados através do canal. Existem rotas alternativas, mas se o bloqueio durar mais, pode impactar os preços por alguns dias", diz Bjornar Tonhaugen da consultoria norueguesa Rystad Energy.

“A passagem por Suez é sempre levada em consideração e, quando há um grande incidente como este, cria atrasos e um efeito dominó”, explicou à AFP Camille Egloff, especialista em transporte marítimo do Boston Consulting Group.

Pelo Instagram, algumas pessoas compartilharam fotos e vídeos de como o navio se encontra atualmente. É possível perceber que a embarcação está praticamente na horizontal, impossibilitando qualquer movimentação de outros navios entre a parte Norte e a parte Sul do canal. Confira a situação do cargueiro:

Tentando desencalhar

Segundo a Bloomberg, as autoridades do canal já estão fazendo esforços para tentar desencalhar a embarcação, mas por enquanto, a tentativa de tentar fazer o navio flutuar novamente não teve sucesso devido ao peso do cargueiro e ao pequeno tamanho dos rebocadores operados para tentar movimentar o navio.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também