A página inicial está de cara nova Experimentar close button
Conheça o beta do novo site da Exame clicando neste botão.

Em duro golpe para Viktor Orbán, centro-esquerda vence em Budapeste

É a primeira vez em dez anos que a oposição triunfa na Hungria. Dez das maiores cidades serão governadas por coalizões rivais do nacionalista Viktor Orbán

Budapeste - A oposição na Hungria impôs duras derrotas ao partido nacionalista conservador Fidesz, do primeiro-ministro do país, Viktor Orbán, e venceu as eleições municipais realizadas neste domingo em Budapeste e outras grandes cidades.

O candidato da coalizão opositora, Gergely Karacsony, será o próximo prefeito da capital húngara ao superar o atual ocupante do cargo, István Tarlós, com 50% dos votos contra 46% do adversário, integrante do partido governista.

Prefeito de um distrito de Budapeste, Gergely Karacsony recebeu o apoio de vários partidos de esquerda, liberais e de centro. Tarlos, que governava Budadpeste desde 2010, ligou para seu adversário para cumprimentá-lo.

A conquista da prefeitura da capital húngara era o objetivo principal proposto nestas eleições pelos opositores de Orbán, líder nacionalista e cujo partido , domina a cena política húngara há dez anos.

Oposição se fortalece nas maiores cidades

Desde então, esta é a primeira vez a oposição triunfa na Hungria. Dez das 23 maiores cidades do país serão governadas pelos opositores, mas o partido de Orban continua forte em nível regional.

As coalizões opositoras locais são compostas por diversos partidos, que vão desde o centrista Momentum, até o Partido Socialista. Em alguns casos, houve composição com Jobbik, que representa grupos de extrema-direita no país.

Além de Budapeste, a oposição governará em Pecs, Szeged e Miskolc. No entanto, o Fidesz, que domina as eleições municipais da Hungria desde 2006, manteve o controle da segunda maior cidade do país, Debrecen.

Cerca de 8 milhões de húngaros estavam aptos a votar nos vereadores e prefeitos de mais de 3 mil cidades da Hungria. A campanha eleitoral foi marcada por ataques e denúncias de corrupção trocadas entre opositores e governistas.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também