Egípcios protestam pelo quarto dia por democracia

Mais três mortes durante a noite de segunda-feira para terça-feira e elevaram para 29 o número de mortos nos conflitos entre manifestantes e militares no país

Cairo – Egípcios seguem para a Praça Tahrir, no centro do Cairo, em resposta a uma convocação de uma “marcha de um milhão”, no dia em que os protestos contra os militares que comandam o país e por democracia entram em seu quarto dia. Mais três mortes durante a noite de segunda-feira para terça-feira e elevaram para 29 o número de mortos nos conflitos entre manifestantes e as forças de segurança, segundo a TV estatal.

Milhares de egípcios estão acampados na praça e entraram em confronto com as forças de segurança que tentavam tirá-los do local. Eles tinham uma bandeira gigante do Egito e cantavam slogans, mostrando que o pedido de demissão do gabinete civil no dia anterior não conseguiu interromper a disseminação dos distúrbios.

A TV estatal egípcia informou que três pessoas foram mortas durante a noite na cidade de Ismailia, no leste do país. Com isso, subiu para 29 o número de mortos durante os protestos nos últimos dias.

Grupos pressionam pela realização de eleições presidenciais em abril de 2012 e por uma rápida transição para um governo civil. Os militares não deram uma data clara para a realização dessas eleições, mas chegaram a citar como datas possíveis o final do ano que vem ou o início de 2013. Para os manifestantes, esse seria um prazo muito demorado.

O ministro das Relações Exteriores da Itália, Giulio Terzi, disse que os direitos humanos devem ser respeitados no Egito e demonstrou preocupação com o “clima de tensão” e a “violência” no país. As informações são da Associated Press e da Dow Jones.