Ebola é mais grave urgência sanitária em anos, diz ocidente

O primeiro-ministro britânico, David Cameron, propôs que os planos para conter a doença sejam definidos na semana que vem, durante uma cúpula em Milão

Os presidentes americano, Barack Obama, e francês, François Hollande; a chanceler alemã, Angela Merkel; e os premiês britânico, David Cameron, e italiano, Matteo Renzi, avaliaram nesta quarta-feira a epidemia de ebola como "a mais grave urgência sanitária dos últimos anos", revelou um porta-voz do governo britânico.

"Os dirigentes concordaram que esta é a mais grave urgência sanitária dos últimos anos e que a comunidade internacional deveria fazer muito mais e com maior rapidez para conter a progressão da doença", indicou em um comunicado um porta-voz do premiê britânico, ao final de uma videoconferência de 75 minutos entre os líderes.

"Cada líder informou o que está fazendo para ajudar os países afetados e, a seguir, as discussões se concentraram em como melhorar a coordenação dos esforços internacionais", prosseguiu.

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, pediu aos governantes europeus um esforço "maior" na luta contra a epidemia.

"O presidente pediu a esses líderes que façam um esforço maior", declarou John Earnest, porta-voz da Casa Branca.

Obama também conversou na noite de terça com o premiê japonês, Shinzo Abe, sobre a crise de saúde, e agradeceu pelas "importantes contribuições" de Tóquio.

Na véspera, o presidente americano já tinha manifestado sua frustração com o ritmo da luta internacional contra o ebola.

"O mundo como um todo não está fazendo o suficiente. Há países que têm a capacidade e que não agiram ainda", disse o presidente americano na terça. "Todos nós precisamos fazer mais", reiterou.

O primeiro-ministro britânico, David Cameron, propôs que os planos para conter a doença sejam definidos na semana que vem, durante uma cúpula em Milão que reunirá na sexta-feira líderes europeus e asiáticos.

Cameron afirmou ainda que serão bem-vindos quaisquer outros países que queiram contribuir com os esforços britânicos para combater a doença em Serra Leoa e que discutirá a cooperação com a Itália.

Os governantes identificaram prioridades para melhorar a coordenação internacional, ampliar os gastos e treinar as equipes de saúde que atuam na região afetada, assim como os procedimentos para cuidar de profissionais infectados com ebola.

A reunião aconteceu depois de a segunda contaminação pelo vírus ebola nos Estados Unidos - de uma auxiliar de enfermagem no Texas - ter sido considerada "muito preocupante" pelas autoridades de saúde americanas.

As Nações Unidas também alertaram que o avanço do ebola está superando os esforços para combater a doença e destacaram que o mundo deveria expandir dramaticamente o combate a essa febre hemorrágica.

O ebola já matou, desde o início do ano, 4.493 pessoas de um total de 8.997 casos registrados em sete países (Libéria, Serra Leoa, Guiné, Nigéria, Senegal, Espanha e Estados Unidos), segundo balanço da Organização Mundial da Saúde (OMS) divulgado nesta quarta-feira, com base em dados coletados até 12 de outubro.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.