Conflito no Iêmen deixou 1.850 mortos e 500 mil refugiados

trégua humanitária de cinco dias que terminou na segunda-feira permitiu ao Acnur enviar "mais ajuda" por estrada e por via aérea

Genebra - O conflito no Iêmen deixou 1.850 mortos desde o fim de março e o obrigou mais de 500.000 habitantes a abandonar suas casas, anunciou nesta terça-feira a ONU.

Segundo o Escritório para a Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA, na sigla em inglês), que citou o serviço de saúde do Iêmen, até 15 de maio o conflito entre os rebeldes huthis e a coalizão árabe liderada pela Arábia Saudita deixou 1.849 mortos e 7.394 feridos.

Adrian Edwards, porta-voz do Alto Comissariado para os Refugiados (Acnur) da ONU, afirmou que o número de deslocados desde março supera 545.000.

A trégua humanitária de cinco dias que terminou na segunda-feira permitiu ao Acnur enviar "mais ajuda" por estrada e por via aérea. Seis aviões pousaram em Sanaa sem problemas, segundo Edwards.

Mas a porta-voz do Programa Mundial de Alimentos (PMA), Elisabeth Byrs, afirmou que a trégua entre os rebeldes xiitas e a coalizão árabe não foi "suficientemente longa".

O PMA conseguiu distribuir apenas metade da ajuda programada e ajudar 400.000 pessoas, ao contrário das 738.000 previstas.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.