Mundo

Com Lula e sem Milei, encontro do Mercosul marca entrada da Bolívia e terá recados à Venezuela

Presidente brasileiro vai defender integração da região, mas colega argentino ignorou a cúpula

Presidente Lula durante a cerimônia de assinatura e entrega da Carta de Ratificação de Adesão da Bolívia ao Mercosul em 7 de dezembro de 2023 (Ricardo Stuckert/Agência Brasil)

Presidente Lula durante a cerimônia de assinatura e entrega da Carta de Ratificação de Adesão da Bolívia ao Mercosul em 7 de dezembro de 2023 (Ricardo Stuckert/Agência Brasil)

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 8 de julho de 2024 às 07h45.

Última atualização em 8 de julho de 2024 às 07h51.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva participa nesta segunda-feira, 8, em Assunção, no Paraguai, de mais uma reunião de presidentes do Mercosul. Segundo interlocutores próximos ao presidente, Lula vai defender a integração latino-americana e a preservação da democracia na região.

A Argentina será representada pela chanceler Diana Mondino. O presidente do país vizinho, Javier Milei, alegou problemas de agenda e não comparecerá ao evento. Porém, passou o fim de semana em Santa Catarina, participando de um fórum de conservadores, ao lado do ex-presidente Jair Bolsonaro.

Bolsonaro dá medalha de ‘imorrível, imbrochável e incomível’ a Milei

Estarão presentes representantes de alto nível, incluindo presidentes, dos países associados ao bloco. São eles Bolívia, Colômbia, Peru e Equador. A Venezuela é membro pleno do Mercosul, mas está suspensa desde 2016, por ruptura dos princípios democráticos e inadequação às normas técnicas.

O evento deverá ter como pontos fortes a adesão da Bolívia como membro pleno do bloco e uma declaração conjunta pedindo que as eleições presidenciais na Venezuela, marcadas para o próximo dia 28, sejam livres, transparentes e aceitas por todos.

A realização de novos acordos do Mercosul, como o que acaba de ser fechado com a Palestina, com produtos entrando com tarifa zero no Brasil, na Argentina, no Paraguai e no Uruguai, será destaque na cúpula. Além disso, o bloco já conversa com Japão, El Salvador, Panamá, República Dominicana e Emirados Árabes Unidos, e tenta concluir tratados com a União Europeia e o Efta, bloco formado por Áustria, Dinamarca, Noruega, Portugal, Suécia, Suíça e Reino Unido.

Acordos em separado

Outro assunto que poderá ser levantado, pelo Uruguai, diz respeito à possibilidade de se negociar acordos em separado dos demais sócios do Mercosul. No governo Bolsonaro, o Brasil não se opôs que isso acontecesse entre uruguaios e chineses. Agora, com Lula, vale a premissa de que a conversa e a realização de tratados devem levar em consideração todos os membros do bloco.

Entre os atos que poderão ser assinados, um deles consiste na facilitação do ingresso de cidadãos do Mercosul nos países do bloco, com menos burocracia nos postos de fronteira. Também são previstos acordos nas áreas cultural, financeira e prevenção de desastres.

Após a Cúpula do Mercosul, Lula seguirá para Santa Cruz de la Sierra. Em uma visita de Estado, na terça-feira, ele vai se reunir com o presidente da Bolívia, Luis Arce, discutirá acordos em energia e infraestrutura e vai se solidarizar com o líder boliviano, que enfrentou a tentativa de um golpe de Estado por militares.

Lula tentará convencer Arce a se reaproximar do ex-presidente Evo Morales. Os dois têm brigado publicamente, e esse enfraquecimento da esquerda no país, na avaliação do governo brasileiro, poderá abrir as janelas paara novas tentativas de golpe.

Acompanhe tudo sobre:Luiz Inácio Lula da SilvaJavier MileiMercosulBolíviaVenezuelaAssunção

Mais de Mundo

Milei denuncia 'corridas cambiais' contra seu governo e acusa FMI de ter 'más intenções'

Tiro de raspão causou ferida de 2 cm em orelha de Trump, diz ex-médico da Casa Branca

Trump diz que 'ama Elon Musk' em 1º comício após atentado; assista aqui

Israel bombardeia cidade do Iêmen após ataque de rebeldes huthis a Tel Aviv

Mais na Exame