Mundo

Milei cancela ida à cúpula do Mercosul e deve encontrar Bolsonaro em Camboriú

Tensão entre chefes de Estado do Brasil e da Argentina escalou semana passada, após Lula afirmar que o argentino deveria pedir desculpas por declarações feitas na campanha de 2023

Javier Milei, presidente da Argentina (Oscar Rivera/AFP)

Javier Milei, presidente da Argentina (Oscar Rivera/AFP)

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 1 de julho de 2024 às 15h45.

Última atualização em 1 de julho de 2024 às 16h35.

Tudo sobreArgentina
Saiba mais

Em meio à crescente tensão entre os presidentes da Argentina e do Brasil, o argentino Javier Milei decidiu não participar da próxima Cúpula de Chefes de Estado do Mercosul, no dia 8 de julho, no Paraguai, mas confirmou sua presença na reunião da Conferência Política de Ação Conservadora (Cpac), que será realizada no próximo fim de semana no balneário de Camboriú — e na qual também estará presente o ex-presidente Jair Bolsonaro.

A ausência de Milei na reunião de presidentes do Mercosul foi confirmada ao O Globo por fontes do governo brasileiro. Já a viagem do presidente argentino ao balneário de Santa Catarina foi noticiada pelo jornal La Nación e considerada "provável" pelo governo Milei. Ambas decisões causaram preocupação em fontes brasileiras, que temem um aprofundamento da crise bilateral.

Na reunião da Cpac também estarão presentes os dirigentes de extrema direita chileno José Antonio Kast e o mexicano Eduardo Verástegui. Em 2022, ainda como deputado, Milei participou de um encontro do grupo no Brasil. Em sua coletiva desta segunda-feira, o porta-voz da Casa Rosada, Manuel Adorni, afirmou que a presença de Milei em Santa Catarina era “provável”. De acordo com o La Nación, a viagem do presidente argentino já foi decidida.

A tensão entre Lula e Milei começou na campanha eleitoral Argentina de 2023, quando o então candidato da ultradireita argentino referiu-se ao presidente brasileiro como comunista e corrupto. Após a vitória de Milei, foram feitos esforços diplomáticos dos dois lados para aparar arestas e o resultado foram vários meses de aparente calma entre os dois principais sócios do Mercosul.

As duas chancelarias organizaram várias reuniões de trabalho, e a ministra das Relações Exteriores argentina, Diana Mondino, fez uma visita oficial ao Brasil. Tudo parecia caminhar sem grandes sobressaltos. Milei teve discussões fortes e públicas com outros presidentes, entre eles o colombiano Gustavo Petro, mas, até agora, evitou atritos com Lula. Os esforços diplomáticos, porém, foram insuficientes para impedir a escalada que começou semana passada.

A frágil paz terminou quando o presidente brasileiro disse, em referência às declarações de Milei de 2023, que o presidente argentino deveria “pedir desculpas ao povo do Brasil e a mim”. A reposta de Milei foi chamar Lula de “esquerdista com o ego inflado”.

"Desde quando deve-se pedir desculpas por dizer a verdade?", perguntou o chefe de Estado argentino.

A Casa Rosada argumenta que Milei não irá à cúpula do Mercosul por problemas de agenda, mas a decisão foi tomada após a troca de farpas com Lula. Até semana passada, a presença de Milei na cúpula de Assunção era dada como certa por funcionários argentinos. Paralelamente, o presidente argentino decidiu ir ao encontro da extrema direita internacional em Camboriú, onde se encontrará com Jair e Eduardo Bolsonaro, entre outros. Ambos participaram da posse de Milei em 10 de dezembro passado, na qual o Brasil foi representado pelo chanceler Mauro Vieira. O filho do ex-presidente esteve recentemente na Argentina e participou de eventos organizados por membros do partido de Milei, A Liberdade Avança, inclusive no Parlamento argentino.

A tensão entre os dois presidentes acontece pouco depois de que viera à tona o escândalo pela fuga de bolsonaristas envolvidos nos atos de 8 de janeiro para a Argentina. O caso preocupa o governo brasileiro, que acompanha de perto as investigações da Justiça argentina.

Acompanhe tudo sobre:Javier MileiArgentinaMercosulJair Bolsonaro

Mais de Mundo

Venezuela: a sete dias da eleição, pesquisas divergem sobre resultado

Serviço Secreto admite que rejeitou pedidos de Trump por mais agentes nos últimos dois anos

Paris 2024 descarta o uso de máscaras contra a covid-19, por enquanto

Com Itália envelhecida, projeto quer facilitar ida de imigrantes para trabalhar no país; entenda

Mais na Exame