China retira cidadãos do Iêmen

No domingo, 122 chineses foram levados do Iêmen para Djibouti, segundo a diplomacia de Pequim

Pequim - A China retirou nesta segunda-feira 449 cidadãos do Iêmen, assim como seis pessoas de outros países, pelo agravamento da situação naquele país, onde rebeldes xiitas conquistaram várias regiões.

No domingo, 122 chineses foram levados do Iêmen para Djibouti, segundo a diplomacia de Pequim.

Pequim enviou ao país navios que já estavam na região do golfo de Aden, onde participam em missões contra a pirataria, segundo o ministério chinês da Defesa.

Segundo a embaixada da China em Sanaa, 590 chineses moravam no país.

Nas últimas semanas, milícias xiitas conquistaram várias regiões do Iêmen e colocaram em xeque o governo de Abd Rabo Mansur Hadi, que fugiu para a Arábia Saudita.

Uma coalizão de países árabes bombardeia, desde quinta-feira, as posições dos rebeldes no Iêmen.

Vários países tomaram decisões similares a da China, como Indonésia, Paquistão e Índia.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.