Capriles diz que é preciso repetir as eleições na Venezuela

Segundo o Centro Nacional Eleitoral (CNE) venezuelano, o candidato direitista perdeu por 1,8% para o herdeiro de Hugo Chávez, Nicolás Maduro

Uma verdadeira auditoria das eleições presidenciais na Venezuela indicará irregularidades como coação do voto ou repetição de eleitores e mostrará "que é preciso repetir as eleições", afirma o candidato opositor Henrique Capriles em uma entrevista divulgada nesta segunda-feira pela imprensa espanhola.

"Nossas queixas estão centradas nas inconsistências entre a ata e a votação, na violência nos centros, nos votos feitos sob coerção, no proselitismo nos centros, em pessoas que votaram duas ou três vezes", explica Capriles ao jornal de centro-direita El Mundo.

Por isso, a auditoria não deve se limitar a uma simples recontagem de cédulas, considera.

"É preciso ver todos os elementos do processo: a urna, as cédulas, a ata de votação e, finalmente, o registro de votação, porque lá está a identidade da pessoa, a impressão digital, a assinatura", afirma. "Aí poderemos descobrir se uma pessoa votou várias vezes ou se mortos votaram", acrescenta.

Segundo o Centro Nacional Eleitoral (CNE) venezuelano, o candidato direitista perdeu por 1,8% para o herdeiro de Hugo Chávez, Nicolás Maduro. Capriles se disse convencido de que esta auditoria provará "que é preciso repetir as eleições".

"Mesmo que sejam parciais, essa parcialidade abarca um número de eleitores tão grande que não só reduziria a distância, mas nos daria a vitória", acrescenta.

Já foram auditadas 54% das urnas e nesse processo os opositores detectaram irregularidades como, por exemplo, centros onde Maduro conseguiu 1.000% mais votos do que Chávez nas eleições de 7 de outubro de 2012. "Quem acredita nisso?", lança o opositor.

Depois de uma onda de violência desencadeada após sua derrota para Maduro, que segundo o governo deixou oito mortos, o CNE concordou em auditar parte dos 46% restantes, mas advertiu que a revisão não mudará o resultado das eleições.

A decisão final recairá sobre o Tribunal Supremo e Capriles afirma que não acredita que essa instituição possa impugnar as eleições. "Mas a luta vai continuar", afirma.

"Os olhos do mundo estão nessas eleições. Há verdades que acabam se impondo, por mais que haja instituições sequestradas politicamente", enfatiza.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.