Califórnia nega pedido de conservadores e confirma união gay

A Suprema Corte do estado norte-americano rejeitou pedido feito por ativistas do grupo Protect Marriage, que queriam a suspensão da legalização da união gay
Casal gay se beija depois de cerimônia de casamento (Robyn Beck/AFP)
Casal gay se beija depois de cerimônia de casamento (Robyn Beck/AFP)
D
Da RedaçãoPublicado em 16/07/2013 às 07:59.

Los Angeles - A Suprema Corte da Califórnia rejeitou nesta segunda-feira um pedido feito por um influente grupo de ativistas anti-gays, que pede que a Justiça volte a proibir o casamento entre pessoas do mesmo sexo nesse estado.

Em sua conta no Twitter, a promotora geral do estado, Kamala Harris, uma franca partidária da causa dos homossexuais, declarou que "a Suprema Corte da Califórnia negou o pedido dos promotores da 'Proposição 8' de suspender os casamentos gays".

Depois de uma breve aprovação da união gay, no final de 2008, os eleitores da Califórnia votaram em referendo a favor da "Proposição 8", que voltou a proibir essas uniões.

Os ativistas do grupo Protect Marriage ("Proteja o casamento", em tradução livre) queriam a suspensão da legalização da união gay na Califórnia, depois que a Suprema Corte americana emitiu uma sentença histórica no mês passado. Com isso, o casamento homossexual pôde ser retomado no estado, após cinco anos de proibição.

Dois dias depois da sentença da Suprema Corte em 26 de junho, a Califórnia voltou a realizar os casamentos.

Em sua última ação iniciada na Suprema Corte estadual, o grupo conservador alegou que a Proposição 8 deveria voltar a valer, entre outros motivos, porque foi aprovada por 52% dos eleitores.

"A definição do casamento como uma união entre um homem e uma mulher ainda é parte da nossa Constituição estadual", afirmou Andrew Pugno, assessor dos promotores da Proposição 8.

O Protect Marriage ainda não divulgou nenhuma reação à decisão da Justiça californiana.