Bloco de deputados negros será o mais poderoso na Câmara dos EUA

O número de presidentes negros em comitês contrastará fortemente com a atual composição da Câmara, liderada pelos republicanos, que não tem nenhum

O Congressional Black Caucus vai se tornar o bloco mais poderoso na Câmara dos Deputados dos EUA quando os democratas assumirem o controle em janeiro. Os membros do bloco vão dirigir pelo menos cinco comitês e mais de uma dúzia de subcomitês.

Isso poderia aumentar as probabilidades de conflito com a Casa Branca, sendo que os democratas negros são críticos contundentes do presidente Donald Trump e dizem que ele fez comentários racistas sobre políticos negros, atacou especialmente mulheres negras e foi ambíguo a respeito dos supremacistas brancos que o apoiam. Entre os opositores de Trump que devem dirigir comitês está a deputada Maxine Waters, da Califórnia, que deve se tornar presidente de Serviços Financeiros.

Haverá um número recorde de legisladores negros na Câmara em janeiro – mais de 50 – e os presidentes estarão entre os mais poderosos, com autoridade para emitir intimações para obter informações do governo Trump. Eles já estão dizendo que querem investigar a breve política de Trump de separar as famílias de imigrantes sem documentos e realizar audiências e investigar acusações de supressão de eleitores contra o Partido Republicano, entre outras áreas.

O número de presidentes negros em comitês contrastará fortemente com a atual composição da Câmara, liderada pelos republicanos, que não tem nenhum – consequência do fato de que há apenas dois deputados republicanos negros na Câmara. Mesmo assim, o número de negros na liderança de comitês será menor que na década de 1980, quando havia sete, e equivalente à quantidade em 2007-2009 e em 1991-1993, quando também havia cinco.

Outros cotados para encabeçar comitês a partir de janeiro são: Elijah Cummings, 67, de Maryland, em Supervisão e Reforma do Governo; Bennie Thompson, 70, do Mississipi, em Segurança Nacional; Bobby Scott, 71, da Virgínia, em Educação e Força de Trabalho; e Eddie Bernice Johnson, 82, do Texas, em Ciência, Espaço e Tecnologia.

Animosidade

Trump incitou a animosidade com os legisladores negros antes da eleição da semana passada fazendo comentários que foram denunciados pelos democratas por serem racistas.

Trump descreveu a democrata Stacey Abrams, candidata negra ao governo da Geórgia, como “não qualificada”, embora ela tenha se formado na Faculdade de Direito de Yale e tenha sido líder da minoria democrata na legislatura estadual. Ele disse que Andrew Gillum, candidato negro ao governo da Flórida, “não estava preparado” para assumir o cargo, apesar de ser prefeito de Tallahassee. Trump também descreveu Waters, 80, que está no Congresso desde 1990, como “uma pessoa com um QI excepcionalmente baixo.”

Waters chamou o presidente de “brutamontes imoral, indecente e inumano”.

Na noite da sexta-feira, o presidente do Black Caucus, Cedric Richmond, de Luisiana, disse em comunicado que Trump é “um valentão inseguro que não tem o mínimo respeito pelos outros” e mencionou os comentários “abusivos e desrespeitosos” feitos por ele sobre mulheres negras.

“Este presidente demonstrou uma clara animosidade contra as mulheres em geral, mas contra as mulheres negras em particular”, disse Richmond. “Isso tem que acabar.”

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também