A página inicial está de cara nova Experimentar close button

Berlim diz que cooperação com espionagem dos EUA é normal

Troca de informações entre serviços secretos alemães e americanos é "habitual" e existe há décadas, afirmou porta-voz

Berlim - O governo da Alemanha classificou nesta segunda-feira como "normal" o fato de seus serviços secretos cooperarem "pontualmente" com os dos Estados Unidos, após a enxurrada de críticas da oposição pela suposta conivência do governo com o programa de espionagem PRISM.

Este tipo de cooperação é "habitual", existe há décadas entre países aliados, afirmou hoje o porta-voz do governo, Steffen Seibert, em relação às informações divulgadas no jornal "Bild" sobre a troca sistemática de informações entre as agências dos dois países.

Seibert lembrou que o governo não divulga nem vai fornecer "detalhes operacionais sobre as atividades dos serviços secretos", já que isso é competência dos órgãos de controle parlamentar e sob estritas condições de confidencialidade.

Em relação às supostas ações de espionagem em massa dos EUA a instituições da UE, cidadãos e governos, o porta-voz disse que esse tema ainda será analisado "com profundidade", o que significa que passará por um longo processo de avaliação.

As declarações de Seibert ocorreram depois das acusações da oposição de que a chanceler Angela Merkel teria "violado" o mandato de proteger os direitos de seus concidadãos, conforme afirmou na semana passada.

A essas críticas se somam as dirigidas contra o ministro do Interior, Hans-Peter Friedrich, que na próxima terça-feira deverá comparecer perante o órgão de controle parlamentar para explicar os resultados das conversas mantidas em sua recente viagem a Washington para esclarecer o assunto da espionagem dos EUA.


Segundo o "Bild", os serviços secretos alemães do exterior (BND) - um departamento coordenado diretamente pela Chancelaria - conheciam há anos a capacidade de seus colegas americanos para interceptar comunicações no mundo todo e recorreram a eles em várias ocasiões.

A revelação, que cita fontes do governo dos EUA, contradiz as declarações do Executivo alemão até o momento, que tinha negado o conhecimento do programa "PRISM" americano, denunciado publicamente pelo ex-técnico da CIA Edward Snowden.

O tabloide afirmou que o BND solicitou ajuda à Agência de Segurança Nacional (NSA) americana quando cidadãos alemães eram sequestrados no Afeganistão e Iêmen, entre outros lugares.

Com essas solicitações aos colegas americanos, o BND tinha acesso aos metadados das últimas ligações telefônicas e dos últimos e-mails dos sequestrados.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também