Mundo
Acompanhe:

Polícia prende suspeito de atentado a bomba em Washington

Homem estacionou carro que pode carregar detonador a menos de 1 km do Capitólio, na capital americana

Polícia investiga ameaça de atentado à bomba nos EUA (ERIC BARADAT/AFP via Getty Images/Getty Images)

Polícia investiga ameaça de atentado à bomba nos EUA (ERIC BARADAT/AFP via Getty Images/Getty Images)

Carla Aranha
Carla Aranha

19 de agosto de 2021, 15h44

Washington segue em alerta, depois que um homem ameaçou ter uma bomba em sua caminhonete, a cerca de 1 quilômetro da Casa Branca. Os prédios da região foram evacuados e o Congresso foi fechado. Em Nova York, dois quarteirões próximos à Times Square foram fechados por uma ameaça semelhante. 

Segundo informações preliminares da polícia do Capitólio, o homem suspeito estacionou em frente à Biblioteca do Congresso dos Estados Unidos. Ao ser abordado por um policial, ele disse que tinha uma bomba, segurando o que parecia ser um detonador. As autoridades seguem em negociação com o homem.

"Meus negociadores estão trabalhando arduamente para tentar encontrar uma solução pacífica para este incidente", disse Manger em entrevista coletiva.

Ainda não há confirmações de que o suspeito tenha mesmo uma bomba, segundo as autoridades locais.

Funcionários do FBI e um aparato formado por autoridades de outros destacamentos estão no local desde o período da manhã, quando foi feita a ameaça de detonação da bomba.

Os oficiais disseram que o homem mora na Carolina do Norte e estava participando de protestos contra o governo em Washington. A ameaça de atentado à bomba foi transmitida ao vivo pelas mídias sociais.

Como o Congresso americano entra em recesso em agosto, muitos parlamentares estão fora da capital. Boa parte dos funcionários que foram evacuados faz parte das equipes de construção civil e operários que fazem reparos no prédio. Além disso, o número normal de pessoas trabalhando no Capitólio diminuiu desde o ano passado em razão da pandemia.

(reportagem em atualização)