Alemanha adotará medidas tributárias para amenizar aumento dos preços

Este pacote de medidas consiste em aumentar o nível a partir do qual se aplicará a taxa máxima do imposto de renda de 42%
O ministro afirmou que o governo é "obrigado a agir" diante do encarecimento dos preços, especialmente os da energia (DAVID GANNON/Getty Images)
O ministro afirmou que o governo é "obrigado a agir" diante do encarecimento dos preços, especialmente os da energia (DAVID GANNON/Getty Images)
E
Estadão ConteúdoPublicado em 10/08/2022 às 10:04.

O ministro alemão das Finanças, Christian Lindner, anunciou nesta quarta-feira (10) que o governo adotará uma série de medidas tributárias de um valor de 10 bilhões de euros (cerca de 10,2 bilhões de dólares) em 2023 para aliviar o aumento dos preços.

Este pacote de medidas consiste em aumentar o nível a partir do qual se aplicará a taxa máxima do imposto de renda de 42% e em aumentar o montante dos subsídios familiares atribuídos, destacou.

O ministro afirmou que o governo é "obrigado a agir" diante do encarecimento dos preços, especialmente os da energia.

Essas medidas também se destinam a compensar o "efeito multiplicador" pelo qual uma pessoa passa para uma faixa de imposto mais alta devido a um aumento de salário para compensar os efeitos da inflação, diminuindo assim seu poder de compra.

Se nenhuma ação for tomada, cerca de 48 milhões de pessoas enfrentarão um aumento de impostos a partir de 2023 devido a esse fenômeno, disse Lindner.

"Não é justo que o Estado se beneficie (do aumento da receita fiscal) em um momento em que a vida cotidiana ficou mais cara (...) e é também perigoso para a economia", admitiu em coletiva de imprensa.

"Para muitas pessoas, a vida cotidiana se tornou muito mais cara. Tememos um aumento dos preços do gás, da energia e dos alimentos", explicou o ministro do governo de coalizão de Olaf Scholz.

A inflação alcançou 7,5% em julho, em retrocesso com relação a junho, mas se mantém em um nível muito alto devido à guerra na Ucrânia.

Veja também:

Bombardeios da Rússia matam 13 no centro-oeste da Ucrânia

Bolívia renegocia com Brasil e consegue evitar multas pelo gás