Mundo

Alckmin: dívida dos estados com a União é "draconiana"

O governador de São Paulo defendeu a mudança do indexador e a redução dos juros cobrados

Alckmin é um dos 11 governadores que participam de audiência pública na Câmara dos Deputados para debater propostas e possíveis soluções para as dívidas (Rafael Cusato/Contigo)

Alckmin é um dos 11 governadores que participam de audiência pública na Câmara dos Deputados para debater propostas e possíveis soluções para as dívidas (Rafael Cusato/Contigo)

DR

Da Redação

Publicado em 19 de abril de 2012 às 11h47.

Brasília - O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, classificou hoje (19) de “draconiana” a dívida dos estados com a União. No Congresso Nacional para discutir alternativas que viabilizem o pagamento da dívida dos entes federados, Alckmin defendeu a mudança do indexador e a redução dos juros cobrados.

Segundo Alckmin, no momento econômico por que passa o país, o Índice Geral de Preços - Disponibilidade Interna (IGP-DI) como indexador da dívida penaliza os estados e torna o pagamento da dívida inviável. “O IGP-DI é de uma época em que o cambio era fixo, década de 1990. [O IGP-DI] é muito sujeito a flutuações. Em 2002, foi mais de 26% de correção mais 6% a 9% de juros”, argumentou o governador tucano.

“Defendemos que seja corrigida a questão do indexador e da taxa de juros para estados de acordo com o momento econômico que o país vive”, acrescentou. Segundo ele, em 1997, o estado de São Paulo, renegociou suas dívidas que estavam em R$ 41 bilhões. Já pagou R$ 68 bilhões e ainda deve R$ 177 bilhões a União. “Isso é uma coisa draconiana”, disse.

Alckmin é um dos 11 governadores que participam de audiência pública na Câmara dos Deputados para debater propostas e possíveis soluções para as dívidas dos estados com a União. No encontro, o grupo de trabalho, criado pelo Congresso para analisar o tema, apresentará uma proposta preliminar que está sendo chamada pelos parlamentares de Carta de Brasília.

Acompanhe tudo sobre:Dívida públicaGeraldo AlckminGovernadoresJurosPolítica no BrasilPolíticosPolíticos brasileiros

Mais de Mundo

Eleições EUA: Kamala tem 44% das intenções de voto e Trump, 42%, diz pesquisa Reuters/Ipsos

O medo da 'uberização' da prostituição em uma Paris olímpica

Biden promete "ir fundo" em investigação após demissão de diretora do Serviço Secreto

"Yes, we Kam" surge como lema da campanha de Kamala

Mais na Exame