A cidade de Wuhan, berço da pandemia, tenta voltar ao normal

O fim do isolamento deverá ser observado por outras cidades e países que discutem o momento de flexibilizar a quarentena

Nesta quarta-feira (8), a cidade chinesa de Wuhan, onde foi confirmado o primeiro caso do novo coronavírus e que se tornou símbolo da pandemia que se espalhou pelo mundo, saiu oficialmente do confinamento imposto pelas autoridades sanitárias.

Pouco depois da zero hora local, carros começaram a fazer fila nos postos de pedágio que cercam a cidade de 11 milhões de habitantes, que ficou isolada do resto do país durante 11 semanas. Os moradores agora podem deixar Wuhan sem autorização especial – desde que portem um celular com um aplicativo que mostre que estão saudáveis e que permite ao governo rastreá-los.

Os ônibus e os trens de Wuhan voltaram a funcionar, embora ainda circulem com um número reduzido de passageiros. A recomendação do governo é que os moradores saiam de casa somente em caso de necessidade. As escolas continuarão fechadas, assim como bares, restaurantes e karaokês.

A maioria das empresas retomou parcialmente suas atividades, mas elas devem monitorar frequentemente a temperatura dos funcionários, pelo temor de que a epidemia recomece devido aos portadores assintomáticos. Do total de quase 82.000 casos de covid-19 oficialmente confirmados até ontem na China, dois terços foram em Wuhan.

O fim do bloqueio de Wuhan ocorreu depois que somente três novos casos foram relatados na cidade nas últimas três semanas, e um dia depois de o governo chinês anunciar que o país não registrou nenhuma morte por coronavírus em 24 horas – foi a primeira vez que isso aconteceu desde janeiro.

A lenta retomada das atividades em Wuhan deverá ser observada atentamente por outras cidades e países ao redor do mundo que adotam alguma medida de quarentena e distanciamento social e debatem o momento certo de voltar gradualmente à vida normal.

Até ontem à noite, havia pouco mais de 1,4 milhão de casos confirmados de covid-19 e 81.200 mortos no mundo. O Brasil fechou o dia com 13.717 casos confirmados e 667 mortos, segundo balanço do Ministério da Saúde.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 1,90

Nos três primeiros meses,
após este período: R$ 15,90

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.
Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.