Entenda a desconfiança do investidor sobre o risco fiscal do Brasil

Juros futuros continuam em alta como reflexo das incertezas sobre reequilíbrio fiscal do país, com gastos como o auxílio-emergencial

A preocupação de que a dívida pública do Brasil esteja saindo do controle deixa a curva dos swaps (de juros futuros) mais inclinada, mesmo com o Tesouro inundando o mercado com títulos de curto prazo.

As taxas da ponta longa (referente aos juros futuros de longo prazo) e da barriga da curva (referente aos juros de médio prazo) subiram nos últimos dois meses devido ao ceticismo de que o presidente Jair Bolsonaro tenha disposição de controlar os gastos que aumentaram sua popularidade e reacenderam o crescimento. A tendência foi acentuada em setembro, quando governo sinalizou que poderia usar instrumentos fiscais criativos para financiar o programa social desejado por Bolsonaro, o Renda Cidadã.

Embora a decisão do Tesouro de concentrar as vendas da dívida em títulos de curto prazo tenha ajudado a aliviar a pressão sobre a curva de juros futuros, isso não foi capaz de reverter a tendência. Mesmo as repetidas promessas do ministro da Economia, Paulo Guedes, de defender a regra do teto de gastos não conseguiram restaurar a confiança de que o governo controlará o peso da dívida.

Investidores têm a preocupação de que, com o número de mortos da Covid-19 aumentando, poderá ser difícil para Bolsonaro resistir à tentação de gastar mais.

A dívida pública do Brasil deve terminar o ano em patamar equivalente a cerca de 100% do Produto Interno Bruto (PIB), ante 76% apenas um ano antes.

O spread (a diferença entre as taxas) entre os rendimentos implícitos de dois e cinco anos nos contratos de NDF (Non Deliverable Forward, que são contratos a termo) em dólar é o mais alto do mundo e continua a aumentar. Também não há trégua imediata à vista, com os legisladores suspendendo o debate sobre as reformas fiscais até depois das eleições municipais de 15 de novembro.

O comunicado dovish (sinalizando afrouxamento da política monetária) do Banco Central nesta semana, que acompanhou sua decisão de manter inalterada a taxa básica de juro, adicionou tensão na curva de swaps. A perspectiva de que o juro permaneça em recorde de baixa por vários meses aumentou a inclinação da curva.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 1,90

Nos três primeiros meses,
após este período: R$ 15,90

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.
Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.