• BVSP 119.335,53 pts -0,6%
  • USD R$ 5,4459 -0,1235
  • EUR R$ 6,5429 -0,1611
  • ABEV3 R$ 15,95 +2,11%
  • BBAS3 R$ 29,74 -1,20%
  • BBDC4 R$ 23,1 -0,69%
  • BRFS3 R$ 23,26 -2,31%
  • BRKM3 R$ 50,76 -1,91%
  • BRML3 R$ 9,58 -2,44%
  • BTOW3 R$ 64,84 -1,31%
  • CSAN3 R$ 93,24 +0,70%
  • ELET3 R$ 35,55 +0,88%
  • EMBR3 R$ 15,14 +0,40%
  • Petróleo US$ 65,55 +0,80%
  • Ouro US$ 1.783,30 -0,61%
  • Prata US$ 26,19 -1,71%
  • Platina US$ 1.207,40 -0,79%

Bovespa fecha em leve alta e Braskem é destaque positivo

No dia 2 de dezembro, a Braskem informou que esperava celebrar acordo de leniência e, desde então, as ações da empresa avançaram mais de 25 por cento

São Paulo - O principal índice da bolsa paulista fechou o pregão desta quarta-feira no azul, em sessão marcada por volatilidade em meio à liquidez reduzida devido à proximidade do fim do ano e tendo as ações Braskem entre os destaques positivos.

O Ibovespa subiu 0,11 por cento, a 57.646 pontos. No melhor momento do dia, o índice subiu 0,8 por cento, atingindo os 58 mil pontos e recuou 0,6 por cento na mínima da sessão.

O giro financeiro foi de 5,45 bilhões de reais, abaixo da média diária para o mês até a véspera, de 9,73 bilhões de reais e também inferior da média diária para o ano, de 7,5 bilhões de reais.

As insistentes preocupações com o cenário político adicionaram volatilidade, com investidores ainda atentos à possibilidade de novas delações no âmbito da operação Lava Jato e seus potenciais impactos para a governabilidade.

Além disso, sinais de atritos entre Executivo e Legislativo também despertaram atenção, após a Câmara dos Deputados aprovar na véspera o projeto da dívida dos Estados, contrariando o Ministério da Fazenda ao retirar parte das contrapartidas que promoveriam ajustes fiscais nas contas estaduais.

No âmbito econômico, o destaque da sessão foi a prévia da inflação oficial do país em dezembro, que foi a mais baixa para o mês desde 1998. No ano, a alta acumulada é de 6,58 por cento, a menor desde 2014. Os dados do IPCA-15 abrem espaço para o Banco Central acelerar o ritmo de corte de juros no país.

DESTAQUES

- CIELO subiu 3,35 por cento. Desde que o governo federal anunciou na semana passada que pretende reduzir o prazo do pagamento das operadoras de cartão de crédito para lojistas, as ações da Cielo têm apresentado forte oscilação. O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, disse nesta quarta-feira que não há mudanças no cronograma das medidas para estimular a economia, inclusive a redução do prazo de pagamento das empresas de cartões para os lojistas. Para alguns operadores, a maior parte do impacto dessas medidas para a Cielo já estão precificados

- BRASKEM PNA avançou 3,27 por cento. A petroquímica e a sua controladora Odebrecht SA oficializaram nesta quarta-feira acordos com a justiça no Brasil, nos Estados Unidos e na Suíça, aceitando pagar cerca de 6,96 bilhões de reais para encerrar investigações no âmbito da operação Lava Jato.

No dia 2 de dezembro, a Braskem informou que esperava celebrar acordo de leniência com autoridades no Brasil e Estados Unidos e, desde então, as ações da empresa avançaram mais de 25 por cento.

- CCR teve valorização de 4,35 por cento, liderando os ganhos do Ibovespa, enquanto ECORODOVIAS ganhou 3,04 por cento, em meio a expectativa de queda mais forte da Selic.

- EMBRAER subiu 2,27 por cento. O Itaú BBA elevou a recomendação para as ações da fabricante brasileira de aviões para "outperform", ante "market perform", avaliando que as perdas recentes provavelmente foram exageradas.

- BRADESCO PN caiu 0,84 por cento, a maior pressão negativa no Ibovespa devido ao peso em sua composição. ITAÚ UNIBANCO teve variação negativa de 0,03 por cento.

- VALE PNA recuou 0,73 por cento e VALE ON cedeu 0,38 por cento, apesar da alta dos contratos futuros de aço e minério de ferro na China.

- PETROBRAS PN teve baixa de 0,07 por cento e PETROBRAS ON caiu 0,54 por cento, anulando as altas vistas mais cedo após os preços do petróleo também mudarem de sinal no mercado internacional.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.