• BVSP 121.113,93 pts +0,3%
  • USD R$ 5,6033 +0,0147
  • EUR R$ 6,7334 +0,0370
  • ABEV3 R$ 15,85 -0,13%
  • BBAS3 R$ 29,75 +0,37%
  • BBDC4 R$ 26,17 +1,43%
  • BRFS3 R$ 23,62 -2,80%
  • BRKM3 R$ 50,09 +3,24%
  • BRML3 R$ 9,8 +0,20%
  • BTOW3 R$ 68,22 +0,04%
  • CSAN3 R$ 90,81 -0,27%
  • ELET3 R$ 35,46 +3,68%
  • EMBR3 R$ 15,81 -0,94%
  • Petróleo US$ 66,64 -0,19%
  • Ouro US$ 1.787,40 +0,40%
  • Prata US$ 26,15 +0,15%
  • Platina US$ 1.218,30 +0,79%

A bolsa e a dúvida: copo meio cheio ou meio vazio?

O Copom deve reduzir hoje a taxa de juros de 3% para 2,25%, ampliando a atratividade das ações. Mas a economia segue afundando com a pandemia do coronavírus

Nesta quarta-feira um dilema das últimas semanas se acentua nas bolsas no Brasil e no mundo. A economia segue afundando no Brasil, com alguns pequenos sinais de melhora pelo mundo. Seria a deixa para queda nas bolsas. Mas as notícias de novos pacotes de estímulos segue puxando a euforia. No Brasil, outro dado, a ser divulgado hoje, será decisivo para mapear o desempenho do Ibovespa nos próximos meses.

Hoje o Comitê de Política Monetária do Banco Central divulga a nova taxa básica de juros, a Selic, que já está em sua mínima histórica, de 3% ao ano. Na última reunião, em 6 de maio, a instituição cortou a Selic em 0,75 ponto percentual, no sétimo corte consecutivo. Mais um corte é certo -- e analistas preveem nova redução de 0,75 p.p., levando a taxa para 2,25%.

O corte tende a impulsionar os investimentos para recuperação da economia em meio à crise do coronavírus. Ontem, foi anunciado que as vendas do varejo de abril caíram 16,8%, ante previsão de contração de 12%, mostrando que o tombo da economia pode ser maior que o esperado. Por outro lado, a inflação segue mais do que controlada -- o Banco Central prevê que o IPCA feche 2020 em 1,8%, ante expectativa anterior de 2,4%.

Juros baixos ajudam a aumentar a atratividade da bolsa para as pessoas físicas -- 500.000 delas compraram ações pela primeira vez este anos. São argumentos de quem olha o copo meio cheio para justificar a alta da bolsa.

Os otimistas têm um trunfo: a alta desde 23 de março no Ibovespa é de 47%. Mas os céticos argumentam que desde 8 de junho a baixa acumulada é de 5%. Ontem, o Ibovespa subiu 1,25% e encerrou em 93.531,17 pontos. Na outra mão, o dólar comercial subiu 1,8% e encerrou sendo vendido a 5,232 reais.

O dólar subiu por um aumento nas incertezas internacionais. Ontem, ao senado americano, o presidente do banco central americano, Jerome Powell, afirmou que a recuperação será longa e que a instituição não vai correr feito um “elefante” para o mercado de títulos.

"O cometário mostra que ele não recuou, mas também não irá sair fazendo loucuras. Então dá para ver o copo meio cheio ou meio vazio”, disse Bruno Lima, analista de renda variável da Exame Research. É o resumo desse momento para os investidores.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.