Marketing

Pesquisa revela as 10 marcas mais presentes nos lares brasileiros

Levantamento registra recorde em penetração e frequência nos lares, reflexo do desempenho do consumo em 2023, o melhor desde o pré-pandemia

Supermercado em São Paulo (Leandro Fonseca/Exame)

Supermercado em São Paulo (Leandro Fonseca/Exame)

Juliana Pio
Juliana Pio

Editora-assistente de Marketing e Projetos Especiais

Publicado em 26 de junho de 2024 às 19h05.

Última atualização em 26 de junho de 2024 às 19h16.

As marcas mais presentes nos lares brasileiros estão no ranking Brand Footprint 2024, produzido pela consultoria Kantar. Pela primeira vez, o levantamento registrou recorde em penetração e frequência, reflexo do desempenho do consumo em 2023, o melhor desde o pré-pandemia.

Pelo décimo-segundo ano consecutivo, a Coca-Cola lidera o ranking, com 610 milhões de Consumer Reach Point (CRP). O indicador é calculado multiplicando o número de indivíduos de um país pelo percentual de compradores (penetração) de uma determinada marca e pelo número de interações (frequência) com a marca em um ano.

A empresa conseguiu manter a presença da Coca-Cola nos domicílios, enquanto a Coca-Cola Zero expandiu para novos lares. Confira abaixo na galeria as outras noves marcas mais presentes nos lares brasileiros.

Na avaliação de marcas, as mais escolhidas pelos brasileiros continuaram as mesmas das últimas edições: Coca-Cola lidera, com 610 milhões de CRPs, seguida por Ypê, com 589 milhões de CRPs. Na sequência aparecem Perdigão, em terceiro, com 476 milhões de CRPs, Italac com 464 milhões de CRPs e Seara com 442 milhões de CRPs.

Entre as 50 marcas que mais se destacaram no ranking 2024, 17 grandes marcas souberam trabalhar a sua predisposição a mais compradores ao serem mais escolhidas (frequência) no momento da compra e cresceram por meio de submarcas, subcategorias. Cinco dessas marcas cresceram por meio de ganho de novos compradores, e 14 delas avançaram ao conquistar mais frequência e presença nos lares brasileiros.

Na avaliação de marcas, foram incluídas 350 no ranking, das quais 99 cresceram CRPs, com mais presença nos lares. Dessas, 77% são consideradas pequenas e médias, com 5% a 30% de alcance nos lares, e 42% Premium. A classe AB alavancou 40% dos CRPS e estabilizou o número de marcas compradas, mas continuou fazendo rodízio de itens consumidos. Já a classe DE foi responsável por 17% do ganho em CRPs e incrementou a média de número de marcas compradas em +2, com maior percepção de promoção em canais ligados ao abastecimento.

Outras 51 marcas cresceram via frequência de compra, com destaque para supermarcas, como as do Top 5, que utilizaram a estratégia de diversificação do portfólio para conquistar mais espaço no carrinho de compras, como a quarta colocada Italac. A classe DE foi a que mais incrementou frequência (+8%), com marcas mainstream (45%). Cerca de 46% do ganho em CRPs via frequência de compras ocorreu nas regiões Norte e Nordeste.

Acompanhe tudo sobre:Marcasestrategias-de-marketingPesquisas de mercado

Mais de Marketing

Os times de futebol mais valiosos do Brasil e do mundo em 2024

As 10 marcas mais inclusivas do mundo, segundo pesquisa; Google lidera ranking

Igor Puga é o novo CMO da Zamp, dona do Burger King e Popeyes

Disputa pelas listras: Adidas luta com grife Thom Browne pelo monopólio da marca

Mais na Exame