Comercial inspirado em ato polêmico de jogador é vetado do Super Bowl

Vídeo de PETA relembra o ato do atleta Colin Kaepernick protesto contra a violência racial

Em 2016, o jogador de futebol americano Colin Kaepernick se ajoelhou durante a execução do hino nacional americano nos jogos da NFL (Liga Nacional de Futebol Americano) em protesto contra a violência racial nos Estados Unidos.

O ato gerou críticas imediatas do presidente Donald Trump e polêmicas que quatro anos depois continuam impactando o Super Bowl. 

A mais recente delas é o veto do anúncio produzido pela PETA (sigla em inglês para Pessoas pelo Tratamento Ético dos Animais). O vídeo, inspirado no ato do atleta, mostra animais selvagens se ajoelhando em protesto contra todos os tipos de preconceito.

"Nosso local patriótico do Super Bowl prevê uma América na qual nenhum ser senciente é oprimido por causa de sua aparência, de onde nasceu, de quem ama ou de que espécie é", afirmou a organização em nota. 

A NFL rebateu. " O Super Bowl nunca foi um lugar para publicidade que pudesse ser considerada, por alguns, como uma declaração política", disse  Brian McCarthy, vice-presidente da liga esportiva.

Essa não é a primeira vez que a PETA gera polêmica com seus anúncios.  A campanha de 2003, "Holocausto no seu prato", comparou o sofrimento do povo judeu no holocausto ao do gado, inspirando os legisladores alemães a proibir essas comparações em futuros comerciais.

Alguns internautas lembraram que em outros momentos a PETA também se apropriou da luta dos negros. "A PETA tem uma longa história de apropriação indevida de imagens do sofrimento e da luta dos negros para promover sua marca", escreveu no Twitter Kristen Clarke, presidente e diretora executiva do Comitê de Advogados por Direitos Civis da Lei.

Segundo a PETA, apesar de possível retaliação, a peça foi aprovada por Kaepernick.

Colin Kaepernick

Desde o ato em 2016, o atleta não fez parte de nenhum time da NFL. Por outro lado, ele passou a ser o rosto de campanhas ativistas, como da Nike em 2018.

Em novembro do ano passado, Kaepernick pode se apresentar para diversos times em um evento organizado pela NFL, mas ele promoveu seu próprio treinamento em outro local, alegando que haveria uma cobertura da imprensa.

Na época, a NFL disse estar “desapontada por Colin não ter aparecido para o seu treinamento” e que ficou sabendo apenas horas antes da decisão dele de fazer o treino em outro lugar.

 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 9,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.
Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.