Inflação e preços altos: como economizar no mercado sem perder qualidade

Com a inflação alta, preços de produtos estão elevados, com destaque aos alimentos. Veja como economizar nas compras e ainda gerar uma renda extra mensal
Em meio ao cenário financeiro mais restritivo, brasileiros têm buscado formas de fazer compras mais econômicas e também de complementar a renda mensal (RapidEye/Getty Images)
Em meio ao cenário financeiro mais restritivo, brasileiros têm buscado formas de fazer compras mais econômicas e também de complementar a renda mensal (RapidEye/Getty Images)
Por Thais CancianPublicado em 19/05/2022 17:29 | Última atualização em 19/05/2022 18:30Tempo de Leitura: 4 min de leitura

Com o aumento da inflação no país, os brasileiros têm se deparado com uma alta generalizada nos preços de produtos já há alguns meses. Em especial, os gastos com bens mais básicos são os que têm chamado mais a atenção: nos supermercados, os alimentos e produtos de higiene e limpeza estão cada vez mais caros. Porém, ao passo que o custo de vida só aumenta, a maioria dos salários no país não acompanha esse movimento — o que leva muitos brasileiros a encarar dificuldades para colocar as compras dentro do orçamento.

Para ter uma ideia, segundo pesquisa realizada pela Proteste - Associação Brasileira de Defesa do Consumidor, as cestas básicas, que contêm produtos alimentícios e de limpeza, estão 78% mais caras em comparação a 2019. De acordo com a pesquisa, a inflação sobre os preços desses bens, nos últimos 12 meses, é a segunda maior da história.

Conheça 30 formas acessíveis de turbinar a sua renda mensal neste E-book! Clique aqui para baixar gratuitamente

Rodrigo Somogyi, diretor de produtos da Sodexo Benefícios e Incentivos, explica que a alta da inflação tem se apresentado como um fenômeno global. Segundo ele, a alta dos preços é causada, principalmente, pelo desarranjo das cadeias globais de suprimentos em função do recente contexto de pandemia. Outro fator que encarece as mercadorias é a retomada da demanda por parte dos consumidores, a qual não é acompanhada pela oferta nas mesmas proporções.

Em meio a esse cenário, muitas pessoas têm buscado formas alternativas para complementar a renda, sem depender apenas do salário para pagar as contas no final do mês. Para Somogyi, da Sodexo, educação financeira é uma das chaves para evitar dívidas e contornar o momento difícil. “É importante que o consumidor não comprometa mais de 50% da sua renda com gastos essenciais”, aconselha.

Pensando nisso, a EXAME indicou abaixo uma alternativa interessante para gerar renda extra começando com pouco, além de algumas dicas de especialistas para te ajudar a fazer compras mais inteligentes e econômicas. Confira a seguir:

Como gerar uma renda extra (começando com pouco!)

Para quem conseguir poupar uma parte da renda a cada mês, é altamente indicado aplicar essa quantia mensalmente em investimentos. Começando com R$ 100, R$ 500, R$ 1 mil ou mais, não importa! Os investimentos são uma ótima maneira de multiplicar os seus valores no longo prazo. Além da possível valorização natural dos ativos, alguns produtos financeiros, como fundos de investimento imobiliário e títulos públicos com juros semestrais, por exemplo, são conhecidos por gerarem renda extra constante aos investidores.

Clique aqui e conheça mais 30 formas de ganhar renda extra todo mês no E-book gratuito da EXAME Academy!

Dicas para economizar nas compras (sem abrir mão da qualidade!)

1. Planeje o que for comprar e não fuja disso!

O ideal é que as compras aconteçam no máximo uma vez por semana e sejam guiadas por uma lista de produtos. Mas, cuidado! É importante ficar atento para não extrapolar essa lista e comprar o que não é tão necessário.

2. Dê uma chance aos “vencidinhos” e “feinhos”

Uma nova promoção está ganhando cada vez mais espaço nos supermercados, com descontos que variam de 10% a 50%: a venda de produtos perto do vencimento (conhecidos popularmente como “vencidinhos”); e de itens que estão com as embalagens amassadas, mas sem comprometer a qualidade (chamados de “feinhos”).

A relação é de ganha-ganha para todos os participantes: o consumidor paga mais barato e mantém o padrão de compra, o supermercado consegue vender, e o fornecedor não tem de lidar com uma devolução. Por isso, vale a pena dar uma chance a eles!

3. Aproveite os preços baixos das feiras

Conforme pesquisa da PROTESTE, de maneira geral, compras nas feiras têm um ótimo custo-benefício. Nelas, as mercadorias custam, em média, 22% menos do que em supermercados e hortifrutis.

4. Compre frutas e legumes da época

Quando o assunto são frutas e legumes, é indicado optar pelos da estação, por terem mais oferta e, consequentemente, menor preço.

5. Evite desperdícios use cada parte dos alimentos!

Aproveitar talos, cascas e folhas também é uma boa ideia para contornar o cenário financeiro mais restritivo. Na cozinha, nada se perde, tudo pode ser reaproveitado ou reinventado. Alimentos como pão, arroz, feijão, carnes, ovos, leite, frutas e legumes, por exemplo, são versáteis e podem ser usados para improvisar novos pratos, sem deixar desperdícios.

Quer começar a gerar renda extra ainda hoje? Baixe gratuitamente este E-book e aprenda até 30 formas de complementar o seu salário!

Veja Também

Governo oferece 400 imóveis para venda com até 87% de desconto
Mercado imobiliário
Há 8 horas • 2 min de leitura

Governo oferece 400 imóveis para venda com até 87% de desconto

Gustavo Franco: Excessos eleitorais
Invest Opina
Há 10 horas • 7 min de leitura

Gustavo Franco: Excessos eleitorais

Brasil tem a quarta maior inflação entre os países do G-20
Economia
Há 13 horas • 2 min de leitura

Brasil tem a quarta maior inflação entre os países do G-20