Invest

Shell (RDSA34) anuncia saída de CEO após dez anos

A companhia petrolífera anglo-holandesa anunciou Ben van Beurden deixará o cargo no final do ano

O CEO da Shell, Ben van Beurden (Shell/Exame)

O CEO da Shell, Ben van Beurden (Shell/Exame)

A companhia petrolífera anglo-holandesa Shell (RDSA34) anunciou na noite desta quinta-feira, 15, que o CEO Ben van Beurden deixará o cargo no final do ano, após quase uma década no comando da empresa.

O atual diretor de soluções integradas de gás, energias renováveis ​​e energia da Shell, Wael Sawan, se tornará novo CEO no dia 1º de janeiro.

No começo de setembro circulou a notícia que Shell estava procurando ativamente um sucessor para substituir van Beurden. O comitê de sucessão do conselho da petrolífera havia se reunido várias vezes nos últimos meses para traçar planos para a saída do CEO e entrevistar possíveis sucessores.

Van Beurden, 64 anos, entrou na Shell em 1983 e tornou-se CEO da empresa em 2014, depois de atuar como diretor dos negócios de refino e produtos químicos da empresa. Ele liderou a Shell durante várias crises do setor petrolífero, mas também foi o responsável de cortar os dividendos da Shell pela primeira vez desde a Segunda Guerra Mundial.

“Foi um privilégio e uma honra servir a Shell por quase quatro décadas e liderar a empresa nos últimos nove anos”, disse van Beurden.

A Shell informou que van Beurden continuará trabalhando como consultor do Conselho de Administração até 30 de junho do próximo ano, após o qual deixará a empresa.

Sawan é um executivo com dupla cidadania, libanês-canadense, com mais de 25 anos de carreira na Shell, onde ocupou cargos no varejo e liderou  vários projetos comerciais.

O executivo também já gerenciou os projetos de petróleo e gás da empresa no Catar, seus negócios em águas profundas de Houston e sua divisão upstream.

A nomeação de Sawan no ano passado como chefe dos negócios integrados de gás e renováveis ​​do grupo foi vista internamente como um sinal de que ele estava sendo preparado para o cargo de CEO.

“Estou ansioso para canalizar o espírito pioneiro e a paixão de nosso incrível pessoal para enfrentar os imensos desafios e aproveitar as oportunidades apresentadas pela transição energética”, informou Sawan em comunicado, acrescentando que foi uma honra ter van Beurden como líder da empresa, “Seremos disciplinados e focados em valor, pois trabalhamos com nossos clientes e parceiros para fornecer a energia confiável, acessível e limpa que o mundo precisa".

Shell (RDSA34) registra lucros recordes

A Shell registrou um lucro trimestral de US$ 11,5 bilhões em julho, quebrando seu recorde pelo segundo trimestre consecutivo.

Entretanto, mesmo com esses lucros recordes, há dúvidas sobre a estratégia da Shell para reduzir as emissões de CO2 e prosseguir na transição para energias mais limpas.

As ações da Shell subiram 0,21% durante os negócios da madrugada na Bolsa de Valores de Londres. Desde o começo de 2022, o preço das ações subiu mais de 40%.

Acompanhe tudo sobre:GásPetróleoShell

Mais de Invest

Balanço do Santander, PMI dos EUA e da zona do euro, Tesla e Campos Neto: o que move o mercado

Mega-sena acumula novamente e prêmio vai a R$ 65 milhões

Santander Brasil tem alta de 44,3% no lucro, que vai a R$ 3,3 bilhões no 2º tri

Veja o resultado da Mega-Sena concurso 2752: prêmio acumulado é de R$ 58,1 milhões

Mais na Exame