Acompanhe:

Recuperação da Cogna? Ação dispara 9% com mudança de recomendação do BBI

Analistas elevam recomendação do papel de “venda” para “neutra” mas enxergam upside baixo

Modo escuro

Cogna (COGN3): Bradesco BBI vê potencial de crescimento da receita da companhia (Cogna/Divulgação)

Cogna (COGN3): Bradesco BBI vê potencial de crescimento da receita da companhia (Cogna/Divulgação)

B
Beatriz Quesada

Publicado em 31 de janeiro de 2023, 15h07.

As ações da Cogna (COGN3) lideram os ganhos do Ibovespa nesta terça-feira, 31, após o Bradesco BBI elevar a recomendação para as ações de “venda” para “neutra”. A virada na avaliação vem na expectativa de melhora de caixa e considera, ainda, a recente queda nos papéis.

  • Cogna (COGN3): + 8,89%

A empresa de educação recuou 30% nos últimos três meses na comparação com o Ibovespa, o que aumentou a atratividade da ação na visão do BBI. Os analistas do banco esperam crescimento de 28% no Ebitda  ex. IFRS 16, principal indicador de caixa da companhia.

“Esperamos que a margem Ebitda da Cogna melhore ainda mais em 2023 com ganhos nas subsidiárias Kroton e Vasta em controles de custos e alavancagem operacional”, informam os analistas.

Em termos de receita, a Cogna deve apresentar crescimento de 15% para 2023, contra queda de 4,5% no ano passado. A Kroton deve contribuir com 8% de alta devido à volta do ensino presencial. Já a Sabre, que produz materiais de ensino, deve crescer 43% devido ao PNLD, o programa federal de livros didáticos. Por fim, a Vasta deve manter um ritmo acelerado de crescimento em 21%.

O BBI diminuiu o preço-alvo das ações de R$ 2,70 para R$ 2,40, o que representa um potencial de valorização (upside) de 11% frente ao último fechamento da ação. Segundo o BBI, a perspectiva de ganhos é positiva, mas a ação não é tão atraente em termos de valuation, o que mantém a recomendação em “neutra”.