Invest

Pepsi (PEPB34) anuncia aumento dos preços e tamanhos menores para conter inflação

No segundo trimestre do ano, a PepsiCo já elevou em 12% os preços de parte de seu portfólio de produtos, que inclui Gatorade e Doritos, mas isso não seria suficiente

Pepsi (PEPB34) (Pepsi/Bloomberg)

Pepsi (PEPB34) (Pepsi/Bloomberg)

A PepsiCo (PEPB34), controladora das marcas Pepsi, Doritos e Gatorade, entre outras, informou nesta terça-feira, 12, que vai elevar os preços de seus produtos e diminuir os tamanhos para fazer frente a inflação.

Nas previsões de resultados do segundo trimestre de 2022, a dona da Pepsi elevou também a expectativa de receita para o ano, por causa também da alta dos preços dos produtos.

Entretanto, o gigante global de alimentos e bebidas espera que os custos subam ainda mais no segundo semestre do ano, e por isso planeja continuar reduzindo o tamanho dos produtos e elaborando outras maneiras de gerenciar as despesas crescentes.

Alta de preços e redução de tamanhos

No segundo trimestre do ano, a PepsiCo já elevou em 12% os preços de parte de seu portfólio de produtos, que inclui Gatorade e Doritos.

Mesmo assim, segundo o diretor financeiro, Hugh Johnston, esse aumento ficou abaixo da taxa de inflação experimentada pela empresa.

As margens da PepsiCo encolheram por causa dos elevados custos de frete e das matérias-primas durante o trimestre.

Johnston disse que a empresa poderá optar por reduzir o número de batatas fritas dentro de uma sacola em vez de aumentar os preços.

O CEO da empresa, Ramon Laguarta, deixou claro que a Pepsi está acelerando suas iniciativas de gerenciamento de custos e usando “uma série de soluções”, como tamanhos menores para seus pacotes.

Consumidores dispostos a pagar mais caro para os produtos da Pepsi (PEPB34)

Os consumidores aparentemente estão dispostos a pagar um preço mais elevado para adquirir produtos da Pepsi.

Essa tolerância a alta dos preços ajudou a sustentar um segundo trimestre que superou as previsões, no qual a PepsiCo registrou alta de 5,2% na receita líquida, que superou US$ 20,2 bilhões, mais do que a previsão de Wall Street de US$ 19,5 bilhões.

Os mercados que mais contribuíram com a alta no volume de vendas no segundo trimestre foram

  • América Latina
  • Oriente Médio
  • África
  • Ásia-Pacífico

enquanto os mercados mais importantes — Europa e América do Norte — registraram contração nas vendas de 7% e 8%.

O impacto da guerra da Rússia contra a Ucrânia gerou um impacto negativo de US$ 1,4 bilhão no resultado da PepsiCo, muito mais do que a empresa havia previsto no começo do conflito.

A PepsiCo informou que espera um aumento da receita de 10% em 2022, o segundo trimestre consecutivo de elevação da meta de crescimento orgânico da receita, revendo para o alto a previsão anterior, que indicava uma expansão de 8% no faturamento.

No caso do lucro, a empresa confirmou sua previsão de US$ 6,63 por ação, alta de 6% em relação a 2021.

Desde o começo do ano as ações da PepsiCo na Bolsa de Valores de Nova York tiveram fortes oscilações.

Os papéis da PepsiCo abriram o ano em US$ 170 caindo para US$ 153 em março, no começo do conflito, voltando a subir e beirando os US$ 180 em abril e maio, mas caindo novamente abaixo dos US$ 160 em junho e subindo novamente além dos US$ 170 em julho.

Acompanhe tudo sobre:InflaçãoPepsiPepsico

Mais de Invest

Hapvida (HAPV3) vai investir até R$ 600 milhões em novos hospitais em SP e RJ

Ministério da Justiça realiza leilão de 54 quilos de ouro; veja como participar

5 frases que todo investidor precisa saber

"O mundo está passando por um processo grande de transformação", diz André Leite, CIO da TAG

Mais na Exame