• AALR3 R$ 19,75 0.00
  • AAPL34 R$ 74,65 1.01
  • ABCB4 R$ 16,47 -0.42
  • ABEV3 R$ 14,75 1.44
  • AERI3 R$ 4,44 18.40
  • AESB3 R$ 10,73 0.85
  • AGRO3 R$ 31,86 -0.62
  • ALPA4 R$ 21,68 -0.55
  • ALSO3 R$ 19,94 1.27
  • ALUP11 R$ 26,32 0.27
  • AMAR3 R$ 2,40 7.62
  • AMBP3 R$ 29,41 -1.14
  • AMER3 R$ 23,70 2.82
  • AMZO34 R$ 73,23 1.29
  • ANIM3 R$ 5,56 3.35
  • ARZZ3 R$ 82,92 0.52
  • ASAI3 R$ 15,36 -0.78
  • AZUL4 R$ 21,17 2.37
  • B3SA3 R$ 11,30 -1.48
  • BBAS3 R$ 35,58 1.34
  • AALR3 R$ 19,75 0.00
  • AAPL34 R$ 74,65 1.01
  • ABCB4 R$ 16,47 -0.42
  • ABEV3 R$ 14,75 1.44
  • AERI3 R$ 4,44 18.40
  • AESB3 R$ 10,73 0.85
  • AGRO3 R$ 31,86 -0.62
  • ALPA4 R$ 21,68 -0.55
  • ALSO3 R$ 19,94 1.27
  • ALUP11 R$ 26,32 0.27
  • AMAR3 R$ 2,40 7.62
  • AMBP3 R$ 29,41 -1.14
  • AMER3 R$ 23,70 2.82
  • AMZO34 R$ 73,23 1.29
  • ANIM3 R$ 5,56 3.35
  • ARZZ3 R$ 82,92 0.52
  • ASAI3 R$ 15,36 -0.78
  • AZUL4 R$ 21,17 2.37
  • B3SA3 R$ 11,30 -1.48
  • BBAS3 R$ 35,58 1.34
Abra sua conta no BTG

Faz sentido comprar ações antes do desdobramento?

Debatida há décadas por investidores, a resposta não está na matemática
Desdobramentos visam tornar mais acessíveis ações com preços elevados | Foto: Krisanapong Detraphiphat/ Getty Images (Getty Images/krisanapong detraphiphat)
Desdobramentos visam tornar mais acessíveis ações com preços elevados | Foto: Krisanapong Detraphiphat/ Getty Images (Getty Images/krisanapong detraphiphat)
Por Guilherme GuilhermePublicado em 21/05/2021 06:30 | Última atualização em 21/05/2021 13:41Tempo de Leitura: 3 min de leitura

Uma pizza cortada em oito pedaços vale mais do que uma pizza inteira? Logicamente, a resposta seria não. Mas uma dúvida parecida tem sido um dilema há décadas no mercado financeiro: vale a pena comprar uma ação que será desdobrada? 

Nas últimas semanas, o Banco Inter (BIDI11), Porto Seguro (PSSA3) e o BTG Pactual (BPAC11) anunciaram que farão desdobramento de seus papéis. A operação nada mais é do que dividir a pizza em pedaços, só que com ações. No caso, uma ação pode ser dividida em duas, três ou mais - com seu preço sendo repartido sempre na mesma proporção.

Em tese, o desdobramento tem o único objetivo de tornar mais acessível uma ação que esteja com preço muito acima da média do mercado e, consequentemente, torná-la mais líquida. Ou seja, uma empresa não deveria valer mais só porque tem mais ações em circulação. Mas na prática nem sempre isso ocorre. 

Ainda em 1984, o assunto foi tema do estudo científico publicado no The Journal of Financial Economics “The Valuation Effects of Stock Splits and Stock Dividends” (Os Efeitos de Avaliação de Desdobramentos de Ações e Dividendos”, em português). Nele, os pesquisadores Mark Grinblatt, Ronald Masulis e Sheridan Titman mostraram evidências de que “os preços das ações, em média, reagem positivamente aos desdobramentos de ações”.

De lá para cá muita coisa mudou no mercado, mas ainda é comum ver ações dispararem no dia do desdobramento. Um dos casos recentes mais emblemáticos ocorreu com os papéis da Tesla, que fecharam em alta de 12% no dia em que foram desdobrados

Não é raro também investidores se anteciparem ao movimento. No último desdobramento do Magazine Luiza (MGLU3), por exemplo, suas ações chegaram a acumular 17% de alta nos três pregões antes de serem desdobradas. 

Claudia Yoshinaga, coordenadora do Centro de Estudos em Finanças da FGV, explica que a resposta para isso está nas finanças comportamentais. 

“Se a ação A custa 50 reais e B custa 5 reais, o mercado entende que há maior probabilidade de a ação B superar os 6 reais do que a ação A superar os 60 reais”, afirma Yoshinaga.  “Apesar de a valorização ser igual, na mente das pessoas a ação de 5 reais precisa andar menos para chegar em 6 reais do que a de 50 reais para chegar em 60 reais.”

Por outro lado, o efeito contrário pode ocorrer em um reagrupamento de ações, em que ações se juntam somando-se seus preços. Isso é o que sugere o estudo publicado em 2020 no Journal of Behavioral Finance “Numerosity: Forward and Reverse Stock Splits” (Numerosidade: Desdobramento e Reagrupamento de Ações, em português).

“Os recursos cognitivos dos investidores já foram condicionados a chegar à conclusão sistemática para vender as ações a um preço mais alto. O número estimula os investidores a vender pelo valor de investimento percebido mais alto, e, consequentemente, os retornos das ações reagem mais negativamente ao nível de preço pós-reagrupamento”, diz o estudo.

Tendo em vista o viés comportamental dos investidores, pode parecer vantajoso comprar antes do desdobramento e vender antes do reagrupamento. Mas os efeitos nem sempre são como o esperado. 

Das últimas cinco ações que passaram por desdobramento na bolsa brasileira (ENEV3, LWSA3, PRIO3, B3SA3 e CSAN3), somente duas subiram nos dias em que foram desdobradas. Por outro lado, apenas uma delas acumulou menos de 3,8% de alta nos dois pregões anteriores ao desdobramento.