Invest

Entenda por que Bill Ackman investe no Google (e não na Nvidia)

Executivo administra uma carteira de ações de US$ 10 bilhões para seu fundo de hedge

Bill Ackman: investidor já teve um lucro de 60% com base no atual preço das ações da Alphabet. (Bryan Bedder/Getty Images)

Bill Ackman: investidor já teve um lucro de 60% com base no atual preço das ações da Alphabet. (Bryan Bedder/Getty Images)

Da Redação
Da Redação

Redação Exame

Publicado em 11 de abril de 2024 às 11h18.

A Nvidia é indiscutivelmente a ação de inteligência artificial (IA) mais popular do mundo, como evidenciado por seu ganho de 215% somente no ano passado. Entretanto, os últimos meses não foram tão positivos assim para a empresa, com os papéis se desvalorizando em 10%.

Os investidores que querem saber para onde o setor de IA está indo, talvez devam olhar para onde os bilionários estão colocando seu dinheiro. O investidor Bill Ackman, por exemplo, administra uma carteira de ações de US$ 10 bilhões para seu fundo de hedge, o Pershing Square Capital Management. Ele não possui nada da Nvidia,

Em vez disso, Ackman possui uma posição de US$ 1,9 bilhão na Alphabet, que controla o Google. Ele não só já obteve ganhos sólidos com esse investimento, como também as ações ainda estão baratas e podem estar prontas para subir ainda mais graças às iniciativas de IA da empresa e seu projeto Gemini.

Segundo informações do site Motley Fool, não é coincidência que Bill Ackman tenha comprado ações da Alphabet no primeiro trimestre de 2023, quando a Microsoft anunciou seu investimento de US$ 10 bilhões na OpenAI, startup líder em IA. A Microsoft rapidamente integrou a tecnologia ChatGPT da OpenAI em seu mecanismo de busca Bing, em uma tentativa de interromper a participação de mercado de 91% do Google no setor de buscas na Internet.

Ackman achava que a tecnologia de IA da Alphabet estava no mesmo nível da OpenAI quando ele fez o investimento, embora a Alphabet ainda não tivesse lançado seu próprio chatbot de IA. As ações da Alphabet despencaram porque os investidores temiam que a empresa ficasse muito atrás da Microsoft na área de IA, mas Ackman viu isso como uma oportunidade de compra.

Pouco depois que a Microsoft anunciou seu investimento na OpenAI, a Alphabet lembrou aos investidores que estava trabalhando em IA há anos. Afinal de contas, o Google adquiriu a startup de IA DeepMind em 2014. É por isso que levou apenas alguns meses para lançar o Google Bard, um chatbot projetado para competir diretamente com o ChatGPT.

O Bard abriu caminho para a maior e mais recente família de modelos de IA da Alphabet, chamada Gemini, que foi lançada em dezembro. Sua mais recente atualização veio com o Gemini 1.5, em fevereiro.

Ainda segundo o Motley Fool, Ackman comprou a maior parte da posição da Pershing Square na Alphabet no primeiro trimestre de 2023, a um preço médio estimado de US$ 96,56. Isso significa que ele está sentado em um ganho de 60% com base no preço atual da ação de US$ 154,85. Ackman aumentou suas participações no segundo e terceiro trimestres de 2023, e também está lucrando com essas posições.

A Alphabet gerou um recorde de US$ 307,4 bilhões em receita em 2023, com US$ 5,80 em lucros por ação. Esse último valor coloca as ações da Alphabet em uma relação preço/lucro de 26,7. Isso significa que a Alphabet é a segunda ação mais barata entre as seis gigantes da tecnologia dos EUA avaliadas em US$ 1 trilhão ou mais. Oportunidade que Bill Ackman não desperdiçou.

Acompanhe tudo sobre:Inteligência artificialGoogleOpenAIMicrosoft

Mais de Invest

Receita Federal autoriza a Temu a operar no Remessa Conforme e vender para o Brasil

Morre Ivan Boesky, condenado por escândalos de insider trading nos anos 1980

RS: Parcela extra do seguro-desemprego será paga na terça-feira; veja quem recebe

Receita Federal libera consulta ao 1º lote do IR 2024 esta semana; veja quem recebe

Mais na Exame