Inteligência Artificial

CEO da OpenAI vai aos Emirados Árabes defender coalizão global para desenvolver a IA

Preocupação do jovem executivo está no fornecimento de chips, energia e data centers

Da Redação
Da Redação

Redação Exame

Publicado em 11 de abril de 2024 às 07h50.

Última atualização em 11 de abril de 2024 às 07h50.

O CEO da OpenAI , Sam Altman, tem defendido a criação de uma coalizão global para apoiar o desenvolvimento da infraestrutura de inteligência artificial. Essa iniciativa inclui discussões com líderes governamentais e do setor tecnológico no Oriente Médio e outros países ocidentais. Altman foi aos Emirados Árabes Unidos justamente para tratar dessa questão. As informações são da Bloomberg

As discussões azem parte dos esforços da Altman para abordar as preocupações sobre o fornecimento de chips e outras estruturas essenciais que acompanham a rápida implantação da Inteligência Artificial pelo mundo. Além disso, as conversas de Altman também incluem energia e capacidade de data centers.

Durante sua visita aos Emirados Árabes Unidos nesta semana, Altman teria se encontrado com Martina Strong, a embaixadora dos EUA no país. Ele também deve ir a Washington nesta quinta-feira para reuniões no Capitólio, de acordo com a Bloomberg.

Sam Altman, CEO da OpenAI: executivo deve se reunir nesta quinta em Washington com líderes partidários no Capitólio (Kevin Mazur/Getty Images)

Os recentes esforços de Altman no Oriente Médio fazem parte de um plano maior para garantir investimentos significativos em infraestrutura de IA. No início de fevereiro, Altman supostamente buscou a aprovação do governo de Joe Biden para um projeto de fabricação de chips de US$ 7 trilhões. Esse plano ambicioso levantou questões sobre sua viabilidade, com especialistas questionando se um investimento tão grande é justificado.

No entanto, o relatório da Bloomberg observou que a busca de investimentos de entidades sediadas nos Emirados Árabes Unidos pode atrair a atenção legal do Comitê de Investimentos Estrangeiros nos Estados Unidos, que tem estado cada vez mais vigilante em relação às conexões entre os fundos de riqueza do Oriente Médio e a China.

Devido a preocupações semelhantes, os congressistas americanos demonstraram interesse especial em examinar a empresa de IA G42 de Abu Dhabi. Foi relatado anteriormente que a G42 estava interessada em investir no negócio de chips da OpenAI, mas as conversas, até agora, não evoluíram.

Enquanto isso, a receita da OpenAI tem aumentado muito, com a empresa atingindo a marca de US$ 2 bilhões em dezembro do ano passado, que a torna uma das empresas de tecnologia de crescimento mais rápido. Esse sucesso provavelmente reforçou os esforços de Altman para garantir investimentos em infraestrutura de IA.

Acompanhe tudo sobre:Inteligência artificialOpenAISam Altman

Mais de Inteligência Artificial

Balanço da Nvidia indica que euforia com inteligência artificial está longe de acabar

Em quanto tempo a IA vai ficar mais inteligente que humanos? Musk e CEO chinês têm palpites

OpenAI não copiou voz de Scarlett Johansson para o ChatGPT, diz jornal

Alexa será atualizada com IA e Amazon vai cobrar taxa pela tecnologia, diz site

Mais na Exame