Eletrobras cai mais de 4% após oferta de privatização ser precificada

Ações vinham de quase 30% de alta no ano; especialistas atribuem queda à realização de lucros e expectativa de rateio menor que o esperado
Eletrobras: oferta foi precificada a R$ 42 por ação (Bloomberg/Getty Images)
Eletrobras: oferta foi precificada a R$ 42 por ação (Bloomberg/Getty Images)
Guilherme Guilherme
Guilherme GuilhermePublicado em 10/06/2022 às 13:04.

A Eletrobras (ELET3) cai mais de 4% na bolsa nesta sexta-feira, 10, após a oferta que marca a privatização da companhia ter sido precificada a R$ 42 por ação na véspera - com desconto de 2,4% em relação à cotação do último fechamento. O papel, negociado a cerca de R$ 41 neste pregão, opera entre as maiores quedas do Ibovespa neste pregão.

A privatização envolveu a emissão de novas ações, que, junto com a venda de participação do BNDES, diluiu a fatia do governo na empresa para pouco mais de 40%. A emissão de novas ações elevou o valor de mercado da companhia para próximo de R$ 100 bilhões.

O movimento de curtíssimo prazo das ações é considerado natural por analistas, dada a maior quantidade de ações no mercado e o rali que antecedeu o processo de privatização da companhia. Até o início do pregão desta sexta, os papéis acumulavam 28,8% de alta no ano.

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam o seu bolso. Tudo por menos de R$ 0,37/dia.

"É uma realização natural depois de toda a busca pela ação nos últimos dias e até tentativas de alguns players de colocar o preço mais alto", disse Gustavo Cruz, estrategista da RB Investimentos.

Ilan Arbetman, analista da Ativa, acrescenta que o rateio pode ter saído menor do que o previsto, levando a um ajuste de posições de fundos. "Como havia expectativa de que um grande rateio, parte dos gestores colocaram ofertas superiores para ser atendidos. Mas podem ter ficado com uma fatia acima da projetada", afirmou .

Apesar da queda desta sexta, Arbetman vê grande potencial de alta para as ações da Eletrobras, com o governo deixando de ser controlador da empresa. "É uma mudança transformacional."

Veja também:
Eletrobras: veja os próximos passos da maior privatização desde a Telebrás
Eletrobras é privatizada por R$ 100 bilhões e entra para top 10 da B3