Invest

Proventos: saiba o que são e como ganhar

Saiba como funcionam as formas de remuneração aos acionistas disponibilizadas pelas empresas de capital aberto

 (Freepik)

(Freepik)

Da Redação
Da Redação

Redação Exame

Publicado em 9 de abril de 2024 às 07h00.

Tudo sobreDividendos
Saiba mais

Ao iniciar no mundo dos investimentos o grande objetivo é alcançar lucros e, com isso, aumentar o patrimônio. Nesse sentido, muitos investidores ficam presos apenas à valorização de seus ativos e esquecem que podem alcançar boas rentabilidades com o pagamento dos proventos.

Confira o simulador que ajuda a escolher os melhores produtos para investir

Os proventos, dessa maneira, também são uma forma do investidor obter aumento de patrimônio e são um grande atrativo para que cada vez mais pessoas entrem no mercado de capitais.

O que são proventos?

Os proventos são todos os valores que as empresas de capital aberto, isto é, as companhias que são negociadas dentro da bolsa de valores, disponibilizam aos seus acionistas como forma de remuneração.

De maneira geral, os proventos são pagos em forma de dinheiro aos acionistas, geralmente quando a empresa apresentou lucros significativos, mas também podem ser distribuídos na forma de novas ações.

Os proventos são, em linhas gerais, uma das variáveis que mais são levadas em consideração pelos investidores no momento de escolher uma ação para seu portfólio, principalmente para aqueles que desejam construir um patrimônio com renda passiva.

Importante pontuar, portanto, que os proventos são uma excelente forma de aumento de capital na empresa por parte dos investidores e são mais uma forma de valorização do patrimônio investido, ou seja, o investidor não ganha apenas com a valorização da cotação das ações, mas com os proventos também.

Tipos de proventos

Após entender o que são proventos é momento de conhecer cada um deles. Dentre todos os tipos, sempre existe aquele preferido pelos investidores que acabam sendo os mais conhecidos, como os dividendos.

Porém, a remuneração dos acionistas vai muito além da distribuição de lucros por meio dos dividendos. Por isso, hoje você irá conhecer as 4 formas utilizadas pelas empresas para remunerar os seus acionistas.

Dividendos

Os dividendos são a forma de pagamento de proventos mais conhecida e difundida pelos investidores, uma vez que ele é pago na forma de dinheiro na conta do investidor, que pode reutilizá-lo da forma como entender melhor.

Eles se caracterizam por ser uma parcela do lucro obtido pela empresa partilhado com os acionistas, sempre com base na sua participação dentro da empresa, ou seja, quanto maior a quantidade de ações, maior será o recebimento de dividendos.

Importante lembrar que os dividendos são um direito dos acionistas e está estipulado dentro da Lei das Sociedades por Ações. Além disso, também é necessário pontuar que os dividendos são isentos de imposto de renda.

O pagamento dos dividendos é definido por meio das Assembleias Gerais Ordinárias de acionistas, que determinam se ele será ou não pago e também qual será o percentual do lucro obtido pela empresa que será distribuído, sempre levando como base o percentual mínimo estabelecido no seu estatuto.

Juros Sobre Capital Próprio (JCP)

Do mesmo modo que ocorre com os dividendos, o valor de proventos distribuídos a título de juros sobre capital próprio é disponibilizado em dinheiro aos acionistas, sempre com base em sua participação dentro da empresa.

Apesar de parecerem muito com os dividendos, eles possuem algumas diferenças. Enquanto os dividendos saem da linha de lucro líquido, os juros sobre capital próprio são uma despesa lançada no balanço da empresa, o que diminui o imposto a ser pago por elas.

Por ser lançado como uma despesa para a empresa, que indica que está remunerando o capital aplicado pelos investidores, para os acionistas esse provento apresenta imposto de renda no valor de 15%, que já é descontado na fonte, ou seja, você já recebe na sua conta o valor líquido.

Assim, no caso dos juros sobre o capital, a empresa consegue, com apenas uma manobra, remunerar os seus acionistas e ainda reduzir o custo com impostos, o que se torna benéfico para ela e para seus investidores.

Direitos de subscrição

Os direitos de subscrição, menos conhecidos e, na mesma linha, menos demandados pelos investidores em ações é mais uma maneira de remuneração aos acionistas.

Esse direito ocorre quando a empresa decide que irá emitir novas ações no mercado e, permite aos seus acionistas ter acesso antecipadamente às novas ações pelo preço de emissão, isto é, por valores geralmente menores do que aqueles que outros investidores que ainda não são acionistas irão pagar.

O número de ações que cada investidor poderá subscrever será definido com base na sua atual participação, ou seja, quanto mais ações você tiver da empresa, maior será a possibilidade de compra.

Por ser um direito, ele não é uma obrigação de cada investidor, por isso caso o investidor não tenha desejo de comprar mais ações da companhia, consegue vender esse direito a outros investidores e ficar com os recursos para alocar da forma como melhor entender.

Bonificação

A bonificação é, sem dúvidas, uma das formas de proventos menos abordadas no mercado e muitos investidores em ações provavelmente nem conhecem, pois além de pouco conhecida, ocorre de forma bem menos recorrente que as demais formas de remuneração.

Como nem todo o lucro da companhia é distribuído, pode ocorrer de parte dele ir para as reservas da companhia.

Quando isso ocorre, a empresa pode direcionar os recursos para outros objetivos e, um deles, poderá ser uma nova remuneração aos acionistas.

É aqui que entra a bonificação, que pode ocorrer tanto na forma de dinheiro, da mesma forma que os dividendos e os juros sobre capital próprio, bem como na forma de disponibilização de mais ações.

O segundo caso é o mais comum e a empresa, sempre com base na atual participação do acionista, lhe paga com novas ações da companhia, o que possibilita maiores proventos ao investidor no futuro.

Quem paga proventos?

Os proventos são pagos, em linhas gerais, pelas empresas que possuem capital aberto em bolsa de valores e que possuem lucros, já que empresas com problemas no balanço e com prejuízo dificilmente irão remunerar os seus acionistas.

Além das empresas, os fundos imobiliários também distribuem proventos e, com uma recorrência maior do que as ações, uma vez que todos os meses os bons fundos pagam aos seus cotistas os valores referentes ao aluguel recebido.

Como receber proventos?

Uma vez que os proventos são pagos àqueles que detém ações da empresa listadas em bolsa de valores e, também, por aqueles que possuem fundos imobiliários, uma vez que essa classe de ativos também paga dividendos, possui direito de subscrição, o investidor precisa de uma boa carteira.

Confira o simulador que ajuda a escolher os melhores produtos para investir

Portanto, para que você consiga receber proventos é fundamental construir uma carteira que seja composta por boas ações, isto é, empresas com bom histórico de lucros e de distribuição de proventos e fundos imobiliários sólidos com recorrência de pagamento dos aluguéis recebidos.

Importante lembrar, que para construir um portfólio de ações, o primeiro passo é entender o seu perfil de investidor, já que esses investimentos possuem risco e, mesmo pagando os proventos, o investidor pode, sim, perder capital com a desvalorização das cotas das ações e dos fundos imobiliários.

Como funciona o pagamento de proventos?

Para saber como são pagos os proventos é importante entender alguns conceitos que estão fortemente relacionados a essa forma de remuneração.

Assim, o primeiro passo é entender os significados de “data com” e “data ex”. A “data com” é a data na qual os investidores precisam estar com as ações no portfólio para poder receber os proventos. Assim, no dia seguinte a ela, o investidor que comprar ações não receberá nada.

Já a “data ex”, é o dia em que a ação começa a ser negociada sem a possibilidade de participação nos proventos que serão distribuídos, sendo fundamental ficar atento a essas datas definidas pelas empresas.

Acompanhe tudo sobre:DividendosJuros sobre capital próprio (JCP)Subscrição de ações

Mais de Invest

Por que Argentina de Milei tem animado o mercado, apesar de inflação recorde e retração

Após balanço, Nvidia (NVDC34) já vale mais que Amazon (AMZO34) e Tesla (TSLA34) juntas

Senacon notifica 20 operadoras de planos de saúde por cancelamentos de contratos; veja lista

Febraban orienta clientes a dar prioridade a canais digitais por tragédia no Rio Grande do Sul

Mais na Exame