Inteligência Artificial

Governo proíbe Meta de usar dados de brasileiros em IAs; empresa se diz desapontada

Big tech teria começado a usar dados dos brasileiros em 22 de maio

Idec disse que empresa de dec afirma que [grifar]é dever da empresa de Zuckerberg deve garantir aos consumidores informações claras (ALAIN JOCARD/Getty Images)

Idec disse que empresa de dec afirma que [grifar]é dever da empresa de Zuckerberg deve garantir aos consumidores informações claras (ALAIN JOCARD/Getty Images)

Publicado em 2 de julho de 2024 às 10h09.

Última atualização em 2 de julho de 2024 às 11h27.

A Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD) decidiu suspender na manhã desta terça-feira, 2, a nova política de privacidade da Meta (dona de Facebook, Instagram e WhatsApp) que autorizava o uso de postagens e fotos de brasileiros para o treinamento de inteligência artificial. O órgão também determinou multa diária de R$ 50 mil em caso de descumprimento.

A ANPD entendeu que existem riscos “de dano grave e de difícil reparação” caso a Meta continuasse com essas regras

O Instituto de Defesa de Consumidores (Idec) notificou em 26 de junho a ANPD, a Secretaria Nacional do Consumidor e o Conselho Administrativo de Defesa Econômica por causa desse uso de dados pela Meta. De acordo com o Idec, "a violação aos direitos básicos do consumidor está evidente."

No documento, o Idec afirma que é dever da empresa de Mark Zuckerberg garantir aos consumidores informações claras, precisas e acessíveis sobre seu intuito de treinar a IA com base nos dados de usuários. Segundo o órgão, a empresa não explica a relação entre o treinamento da inteligência artificial e os serviços prestados ao titular da conta.

A big tech tem cinco dias úteis para excluir o trecho sobre IA de sua nova política de privacidade.

Processos pouco transparentes

No Brasil, nenhuma data foi informada com antecedência aos usuários para o início dessa prática de treinamento com IA. Uma indicação é que companhia já teria começado a usar os dados de brasileiros em 22 de maio. Na data, foi publicado o formulário para usuários indicarem que não desejam ter seus dados usados por IA. No mesmo dia, foi publicado um comunicado informando sobre a mudança na política de uso dos usuários.

O caso ganhou repercussão depois que a Meta teve seus planos frustrados na União Europeia. A big tech tinha planos de lançar a nova política de privacidade no bloco em 26 de junho, mas recuou depois de sofrer críticas de usuários e autoridades locais.

Com a mudança nos termos de uso, as publicações no Facebook e no Instagram serviriam para que a inteligência artificial desenvolvesse "conhecimentos" para produzir texto. Sistemas como o ChatGPT, o mais popular deles, precisam de uma grande quantidade de dados para conectar termos. A busca por dados inéditos e de qualidade tornou-se uma das principais disputas entre gigantes da IA.

Para aqueles que não quiserem fazer o treinamento de IA, a Meta criou um formulário pelo qual o usuário pode vetar o uso, chamado "Direito de se opor". Ele está disponível na página de privacidade da empresa.

A crítica do Idec, porém, é que o usuário precisa seguir nove passos para se opor ao uso de suas informações, dificultando que o consumidor possa exercer seu direito de se opor.

A resposta da Meta

Em nota, a big tech diz que a abordagem cumpre com as leis de privacidade e regulações no Brasil, e que continuara a trabalhar com a ANPD para endereçar as dúvidas.

"Estamos desapontados com a decisão da ANPD. Treinamento de IA não é algo único dos nossos serviços, e somos mais transparentes do que muitos participantes nessa indústria que têm usado conteúdos públicos para treinar seus modelos e produtos. Isso é um retrocesso para a inovação e a competividade no desenvolvimento de IA, e atrasa a chegada de benefícios da IA para as pessoas no Brasil".

As IAs "mais bonitas" do mundo

Acompanhe tudo sobre:MetaInteligência artificialDados de BrasilLGPD – Lei Geral de Proteção de Dados

Mais de Inteligência Artificial

Previsões meteorológicas com IA enfrentam teste durante temporada de furacões

Anthropic lança aplicativo Claude para Android em esforço para competir com ChatGPT

O homem contra o gigante: o plano de Andrew Feldman, da Cerebras, para vencer a Nvidia

Saída do ChatGPT da China pode acelerar competição entre gigantes locais

Mais na Exame