Inteligência Artificial

'Apple GPT'? Conheça o plano da fabricante do iPhone para competir com a OpenAI

Previsto para 2024, o novo modelo de inteligência artificial deve colocar a empresa de Tim Cook de vez na tecnologia do momento

Tim Cook: CEO da Apple (Justin Sullivan/Getty Images)

Tim Cook: CEO da Apple (Justin Sullivan/Getty Images)

André Lopes
André Lopes

Repórter

Publicado em 19 de julho de 2023 às 15h37.

Última atualização em 19 de julho de 2023 às 15h42.

A Apple está discretamente empenhada no desenvolvimento de ferramentas de inteligência artificial (IA) que podem rivalizar com as da OpenAI, Google e Microsoft. Contudo, segundo a Bloomberg, a estratégia para disponibilizar tal tecnologia para o público consumidor ainda não está bem definida.

Para dar cabo ao novo plano, a fabricante do iPhone construiu sua própria estrutura para criar grandes modelos de linguagem - os sistemas baseados em IA que estão no centro de novas ferramentas como o ChatGPT, da OpenAI, e o Bard, do Google - de acordo com fontes com conhecimento dos esforços.

Leia também: Microsoft e Meta anunciam parceria para distribuir novo software de IA para uso comercial

Com essa base, conhecida como "Ajax", a Apple também criou um serviço de chatbot que alguns engenheiros estão chamando de "Apple GPT".

Após a divulgação dos esforços da Apple na área de IA, suas ações alcançaram um aumento de até 2,3%, batendo um recorde de US$ 198,23. Por outro lado, a Microsoft, parceira e principal apoiadora da OpenAI, teve uma queda de cerca de 1% nas ações.

Correndo atrás

No último ano, a Apple foi pega de surpresa com a introdução do ChatGPT da OpenAI, do Google Bard e da Bing AI da Microsoft.

A empresa, que já incorpora recursos de IA em seus produtos há anos, agora corre atrás do prejuízo no mercado de ferramentas generativas, capazes de criar textos, imagens e até vídeos a partir de prompts de texto.

Embora a Siri, principal produto de IA da Apple, tenha estagnado nos últimos anos, a empresa fez progressos em outras áreas, como melhorias em fotos e buscas no iPhone.

Mesmo com todo o potencial, a tecnologia ainda enfrenta um "número de questões que precisam ser resolvidas", segundo a empresa.

Contudo, acredita-se que a empresa esteja planejando fazer um anúncio significativo relacionado à IA no próximo ano.

Ao mesmo tempo em que começou a desenvolver suas próprias ferramentas, a Apple conduziu um teste corporativo da tecnologia da OpenAI. A empresa também considerou assinar um contrato maior com a OpenAI, que licencia seus serviços para a Microsoft, Shutterstock e Salesforce.

Há vagas

A Apple está buscando contratar mais especialistas em IA generativa. Em seu site, a empresa procura por engenheiros com "sólida compreensão de grandes modelos de linguagem e IA generativa".

Um lugar ideal para a Apple integrar sua tecnologia LLM seria dentro da Siri, permitindo que a assistente de voz realize mais tarefas em nome dos usuários. Apesar de ter sido lançada em 2011, antes dos sistemas rivais, a Siri ficou para trás dos concorrentes à medida que a Apple se concentrava em outras áreas e se colocava como uma empresa a favor da privacidade.

Nos últimos anos, a companhia expandiu seus esforços em IA com a contratação de John Giannandrea, que liderou a pesquisa e IA no Google. Desde então, a Apple não lançou muitos novos recursos de IA de destaque, mas algo no nível de um Apple GPT ajudar a colocá-la no mapa.

Acompanhe tudo sobre:Inteligência artificialAppleChatGPT

Mais de Inteligência Artificial

Nova IA para Alexa? Amazon vai atualizar serviço e pretende cobrar por isso, diz site

A IA no cotidiano: entre a produtividade e o riso

OpenAI melhora processo de recrutamento por temer espiões chineses

A inteligência artificial consegue contar boas piadas? Pesquisadores fizeram o teste

Mais na Exame