Estamos de cara nova! E continuamos com o conteúdo de qualidade.
Nova Exame

Beleaf, startup de alimentos plant-based, recebe aporte e mira gigantes

De olho nas gigantes do mercado, companhia já conseguiu triplicar seu faturamento em 2020 e agora quer iniciar sua expansão no Brasil

A Beleaf, mais uma startup da indústria de alimentação à base de plantas, está recebendo um investimento de 1,1 milhão de reais para impulsionar sua operação. O aporte, noticiado com exclusividade pela EXAME, foi feito pelo fundo de capital de risco GR8 Ventures, que já investiu em empresas como Cuponeria e Genoa. Fundada em 2016, a Beleaf obteve receita de 7 milhões de reais em 2020.

Inovação abre um mundo de oportunidades para empresas dos mais variados setores. Veja como, no curso Inovação na Prática 

Com sede em São Paulo, mas já com operações no Rio de Janeiro, a companhia vem crescendo em ritmo alto. O faturamento de 7 milhões de reais em 2020 foi três vezes maior do que o obtido em 2019. A empresa que começou com uma cozinha industrial de 250 metros quadrados já se mudou para outra que é quatro vezes maior.

Com o aporte recebido, a meta agora é se consolidar como uma das principais empresas do setor e chegar em capitais como Belo Horizonte e Curitiba. Para dar suporte à expansão geográfica pelo Brasil, a companhia pretende dobrar o tamanho de sua equipe. O número de funcionários deve saltar de 53 para 100 até o fim de 2023.

Espaço para crescer não falta. O mercado mundial de alimentos plant-based deve crescer exponencialmente nos últimos anos. A consultoria indiana Meticulous Research aponta que o setor deve crescer 11,9% ao ano até 2027, quando deve movimentar 74,2 bilhões de dólares.

“A alimentação plant-based é economicamente viável e já conquistou grande espaço nos Estados Unidos, em países da Europa e parte da Ásia. O Brasil está alguns passos atrás, mas é só uma questão de tempo para que o consumidor perceba os benefícios para sua própria saúde e à sobrevivência do nosso planeta”, diz Fernando Bardusco, cofundador e presidente da Beleaf.

Um dos motivos é justamente a tendência da redução no consumo de carne na alimentação. Segundo o Ibope, mais da metade das pessoas ouvidas em uma pesquisa feita em 2020 admitiu que comeu menos carne no ano passado. Enquanto 39% dos entrevistados afirmou que consome alternativas vegetais pelo menos três vezes por semana.

A Beleaf aposta pesado em sustentabilidade. Dados da empresa informam que a startup já deixou de emitir 169 toneladas de CO2 e economizou 2 milhões de reais que seriam gastos em água. A companhia também informa que mais de 1,6 milhão de metros quadros de terra foram poupados ao substituir a carne por vegetais nas refeições. Isso é o equivalente 229 campos estádios do Maracanã.

A startup ainda não compete diretamente contra algumas gigantes endinheiradas desta indústria, como a chilena NotCo, que tenta recriar alimentos utilizando processos de inteligência artificial para substituir a carne com proteína vegetal. O foco da Beleaf está em outro segmento. A companhia comercializa refeições veganas diretamente pela internet, em combos ou individualmente.

Há, inclusive, parcerias com empresas como a Fazenda Futuro. Alguns pratos como a Lasanha Bolonhesa do Futuro e as Almôndegas do Futuro são feitos utilizando "carne moída" criada a partir de alimentos vegetais pela Fazenda Futuro. Se ainda não pode vencê-las, talvez a estratégia correta seja mesmo unir as forças.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também