Nova empresa de fundador da WeWork, já avaliada em mais de US$ 1 bilhão, poderá ter carteira cripto

Nova startup criada por Adam Neumann, ex-CEO da WeWork, já ganhou status de unicórnio e divulga planos de carteira digital com cripto e programa de recompensas
Adam Neumann, controverso fundador da WeWork, já criou um novo unicórnio (Michael Kovac/Getty Images)
Adam Neumann, controverso fundador da WeWork, já criou um novo unicórnio (Michael Kovac/Getty Images)
D
Da RedaçãoPublicado em 18/08/2022 às 16:34.

A Flow, nova empresa do controverso fundador e ex-CEO da WeWork, Adam Neumann, está desenvolvendo uma carteira digital que, entre outros ativos, poderá guardar e movimentar criptomoedas. A informação foi divulgada pela Forbes.

A empresa, que atua no setor imobiliário e com o mesmo modelo da WeWork, só que focada no segmento residencial e não corporativo, já ganhou status de unicórnio, ou seja, já vale mais de US$ 1 bilhão.

(Mynt/Divulgação)

O valor foi conquistado após uma rodada de investimentos que captou US$ 350 milhões e foi liderada pela Andreessen Horowitz, empresa de capital de risco também conhecida pela sigla a16z.

David Goldin, porta-voz da Flow, disse à Forbes que a carteira digital não poderá ser usada para pagamento dos alugueis, mas sim para transações externas. Ele também citou a possibilidade de criação de um programa de recompensas que utilize a tecnologia blockchain e criptoativos.

O plano para criação de uma carteira digital pela Flow foi revelado pela publicação após a divulgação de uma vaga de emprego para um “empreendimento inovador que será uma das maiores implementações de blockchain na economia, envolvendo uma abordagem multifacetada que será liderada por Adam Neumann” - Goldin afirmou que o anúncio era falso, embora tenha confirmado a existência do projeto para a carteira digital.

Neumann ficou famoso ao criar a WeWork, que chegou a ser avaliada em US$ 47 bilhões antes de beirar o colapso financeiro no final de 2019, em grande parte causado pelo executivo, acusado de concentração de poder, conflitos de interesse e outros problemas de gestão que culminaram com a sua demissão.

Depois de deixar a WeWork, Neuman começou a comprar propriedades em mercados secundários dos EUA, em regiões como Nashville, Tennessee e Norwalk, Connecticut, além de investir na empresa de software de gerenciamento de propriedades Alfred, de acordo a Forbes. O movimento seria o primeiro passo para o início das operações da Flow, previsto para o ano que vem.

Além da WeWork, Adam Neumann também já se aventurou pelo mercado cripto, quando criou a Flowcarbon, startup de ferramentas para negociação de carbono. Em maio, a empresa anunciou a captação de US$ 70 milhões em rodada também liderada pela a16z, mas no mês seguinte anunciou o adiamento do lançamento do seu token e a desaceleração da oferta de serviços, citando a turbulência do mercado cripto como principal motivo para a mudança de planos.

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube | Telegram | Tik Tok