Future of Money

Morgan Stanley: queda de 50% não surpreende, mas bitcoin pode se recuperar

Segundo analistas do gigante bancário norte-americano, o movimento de queda da criptomoeda estaria dentro de seu padrão histórico e cita valor para reversão de tendência de baixa

Bitcoin já passou por 15 movimentos de queda desde sua criação em 2009 (Mario Tama/Getty Images)

Bitcoin já passou por 15 movimentos de queda desde sua criação em 2009 (Mario Tama/Getty Images)

Coindesk

Coindesk

Publicado em 31 de janeiro de 2022 às 12h57.

A queda de 50% no preço do bitcoin em relação ao seu recorde de novembro não é surpreendente e a correção estaria dentro dos padrões históricos, disse o Morgan Stanley em uma nota de research intitulada “O estado do mercado em queda”.

Estimar o valor justo das criptomoedas é difícil, pois elas são negociadas de maneira especulativa, incentivada pela grande disponibilidade de dólares norte-americanos e liquidez gerada pelo banco central dos EUA, escreveu a head de research em criptomoedas do banco, Sheena Shah, no relatório publicado na semana passada.

Se o bitcoin for negociado abaixo de 28 mil dólares, o mercado pode esperar ainda mais fraqueza, já que isso está próximo das mínimas do ano passado. No lado positivo, o nível dos 45 mil dólares é um nível a ser observado, porque isso sugere que a recente tendência de baixa poderia estar mudando, segundo o relatório.

O banco observa que o bitcoin teve 15 movimentos de baixa desde sua criação em 2009, e a correção vista nos últimos meses está dentro do alcance do que aconteceu antes.

“Até que o bitcoin seja comumente usado como moeda para transações de bens e serviços (no mundo cripto ou não), é difícil avaliar o bitcoin em sua demanda fundamental além da especulação de ativos”, afirmou o Morgan Stanley.

O relatório ainda afirma que os investidores em cripto podem precisar ter paciência se estivermos no meio de uma correção de mercado mais arriscada, disse o banco. Além disso, a alavancagem precisaria aumentar no mercado cripto para que uma tendência de alta começasse, já que a liquidez promovida pelo Fed começará a ser removida gradualmente.

Regulação, tokens não-fungíveis (NFTs) e a emissão de stablecoins são áreas a serem observadas nos próximos meses, de acordo com a nota.

Texto traduzido por Mariana Maria Silva e republicado com autorização da Coindesk

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube | Telegram | Tik Tok

Acompanhe tudo sobre:BitcoinBlockchainCriptoativosCriptomoedasFed – Federal Reserve SystemFinançasMercado financeiroMorgan Stanley

Mais de Future of Money

Presidente do Banco Central quer "superapp" de finanças integrado com inteligência artificial

Ferrari anuncia que vai aceitar pagamentos em criptomoedas na Europa

Worldcoin, projeto de Sam Altman, nega acusações de insider trading de criptomoeda própria

Donald Trump vai cobrar R$ 300 mil por fotos em evento sobre bitcoin

Mais na Exame