Future of Money

Mineradoras de bitcoin disparam após Trump prometer apoiar o setor nos EUA

Em 12 de junho, TeraWulf, Hut 8 Mining e Core Scientific dispararam após encontro e apoio do ex-presidente e atual candidato nos EUA, Donald Trump

 (Reprodução/Reprodução)

(Reprodução/Reprodução)

Cointelegraph
Cointelegraph

Agência de notícias

Publicado em 13 de junho de 2024 às 12h06.

Tudo sobreBitcoin
Saiba mais

As ações de mineração de bitcoin subiram dois dígitos na quarta-feira, um dia após o candidato presidencial dos Estados Unidos, Donald Trump, prometer impulsionar as operações de mineração no país.

Trump disse que quer “todo o bitcoin restante seja feito nos EUA” acrescentando que isso ajudaria o país a ser “dominante em energia” em uma postagem de 12 de junho, que veio logo após uma reunião que ele realizou com alguns dos principais executivos do setor.

Trump também teria dito aos executivos do setor que prometeu apoiar o setor caso seja eleito presidente em novembro.

Os traders de ações de mineração de bitcoin aparentemente gostaram das promessas de Trump para o setor.

  • O JEITO FÁCIL E SEGURO DE INVESTIR EM CRYPTO. Na Mynt você negocia em poucos cliques e com a segurança de uma empresa BTG Pactual. Compre as maiores cryptos do mundo em minutos direto pelo app. Clique aqui para abrir sua conta gratuita.

Alta das mineradoras de bitcoin

TeraWulf (WULF) e Hut 8 Mining (HUT) foram os maiores movimentadores entre os 10 maiores mineradores de bitcoin por capitalização de mercado, aumentando 10,5% e 10,07% respectivamente em 12 de junho, de acordo com o Google Finance.

Core Scientific (CORZ), Iris Energy (IREN) e Cipher Mining (CIFR) completaram os cinco primeiros lugares com aumentos de 9,87%, 9,72% e 8,94%.

Peso-pesados da indústria como CleanSpark (CLSK) e Riot Platforms (RIOT) também subiram 8,15% e 6,5%, mas a maior mineradora de bitcoin por capitalização de mercado, Marathon Digital (MARA), aumentou apenas 2,4% no dia.

A mineradora de bitcoin baseado na China, Canaan (CAN), foi a única mineradora de bitcoin entre os 20 maiores por capitalização de mercado a registrar uma queda no preço das ações em 12 de junho.

O forte dia impulsionou a capitalização de mercado da indústria de mineração de bitcoin para US$ 26,4 bilhões, de acordo com a Companies Market Cap.

Os aumentos no preço das ações de mineração vieram em um dia em que o bitcoin conseguiu subir apenas 1,4% para US$ 68.365 nas últimas 24 horas.

CleanSpark e TeraWulf têm sido dois dos melhores desempenhos em 2024, com alta de 58,55% e 66,96% no acumulado do ano.

Mas nem todos os mineradores de bitcoin conseguiram continuar o crescimento no preço das ações este ano.

A Marathon Digital está com queda de 11,43% no acumulado do ano, enquanto a Riot Platforms caiu quase 31% em 2024.

Trump e vários executivos do setor discutiram como a mineração de bitcoin poderia fortalecer a rede elétrica e criar mais empregos em uma reunião realizada em seu resort Mar-a-Lago em 11 de junho.

Entre os participantes estavam o CEO da Riot Platforms, Jason Les, e o chefe de políticas públicas da empresa, Brian Morgenstern, o presidente executivo da CleanSpark, Matthew Schultz, e Amanda Fabiano, diretora do conselho da TeraWulf.

Todos esses executivos do setor relataram experiências positivas com Trump na noite.

O JEITO FÁCIL E SEGURO DE INVESTIR EM CRYPTO. Na Mynt você negocia em poucos cliques e com a segurança de uma empresa BTG Pactual. Compre as maiores cryptos do mundo em minutos direto pelo app. Clique aqui para abrir sua conta gratuita.

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube Telegram | Tik Tok  

Leia mais

Acompanhe tudo sobre:Mineração de bitcoinDonald TrumpBitcoinCriptomoedasCriptoativos

Mais de Future of Money

Bancos gastam 25 vezes mais que fintechs com segurança digital, mas perdem 5 vezes mais em fraudes

Criptomoedas não são afetadas por apagão cibernético e usuários elogiam blockchain

Criptomoedas meme e de IA lideraram mercado cripto no 2º trimestre, mostra relatório

BCE realiza primeiro teste de tokenização de títulos privados com banco

Mais na Exame