Deputado pede urgência em PL sobre segurança em investimentos cripto

Segundo o deputado Áureo Ribeiro, o projeto de lei colocaria o Brasil na vanguarda dos debates e aceitação das criptomoedas, trazendo segurança jurídica ao mercado e principalmente aos pequenos investidores

Embora o bitcoin tenha nascido com a proposta de permitir às pessoas negociarem entre si de maneira descentralizada e, portanto, sem um intermediário, cada vez mais os criptoativos são 'absorvidos' pela sociedade e, no Brasil, terão a 'segurança' do Banco Central.

Essa é a visão do Deputado Áureo Ribeiro (SD/RJ) autor do PL 2303/15, que busca regulamentar o bitcoin e as criptomoedas no Brasil, que declarou que assim que o PL for aprovado e se tornar lei, esta trará ao investidor de criptoativos a segurança do Banco Central e da Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

"Isso quer dizer que quem não seguir as regras será penalizado, dando ao investidor a segurança de um Banco Central ou de uma CVM, por exemplo", disse em entrevista ao portal O Dia.

Aureo também destacou que irá pedir urgência na votação pelo plenário da Câmara do texto aprovado na comissão especial no dia 29 de setembro. Desta forma, segundo o parlamentar, o Banco Central, assim como a CVM, ficariam livres para poder editar normas e regras para as empresas de criptomoedas no país.
"O investidor não tem segurança jurídica para investir, e o espaço fica livre para os criminosos"

O deputado afirmou ainda que o PL colocará o Brasil na vanguarda dos debates e aceitação das criptomoedas trazendo segurança jurídica ao mercado, principalmente aos pequenos investidores.

"Elenco aqui alguns avanços: a definição dos órgãos reguladores; a tipificação dos crimes de fraude em prestação de serviços que envolvam criptoativos; e a exigência de autorização para as empresas operarem nesse ramo. Isso quer dizer que quem não seguir as regras será penalizado, dando ao investidor a segurança de um Banco Central ou de uma CVM, por exemplo", afirmou.

Fraudes

Segundo Ribeiro, a falta de regulamentação dá espaço para fraudes, como pirâmides financeiras.
"Ainda em 2019, começamos a receber uma série de denúncias, e chamamos para uma audiência pública órgãos de fiscalização, empresas suspeitas e consumidores lesados. Propus uma CPI, mas quando ela estava prestes a ser instalada, a pandemia começou. Agora que todas as comissões estão funcionando, queremos finalmente fazer essa investigação", disse.

O deputado pontuou também que a principal lição de todo o debate em torno da regulamentação das criptomoedas é que a definição de regras para o mercado irá permitir 'separar o joio do trigo'.
"Se já houvesse regulamentação, essas pessoas estariam seguras, pois a empresa estaria em conformidade com a lei, investindo de forma legal e sendo fiscalizada pelos órgãos competentes", destacou.

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também